Limão x Rins

LIMÃO X RINS

Conceição Trucom

O consumo diário de uma limonada pode ser um bom tratamento terapêutico para
prevenir e até adiar o desenvolvimento de cálculos renais. O limão tem
propriedades adstringentes, portanto, de ajudar (ou inviabilizar a formação)
na dissolução de aglomerados de cristais e células gordurosas.

Assim, pessoas que têm propensão para formar cálculos renais quando procuram
o centro de tratamento da Universidade do Wisconsin, em Madison/EUA, são
logo orientadas para uma prática alimentar diária que é a terapia da
limonada.

Uma das indicações mais freqüentes dos urologistas é o sal alcalino
conhecido como citrato de potássio, que não deve ser tomado em comprimidos
ou em forma líquida. Mas, de forma natural, o limão está repleto de
citratos.

Na verdade, o limão é destacado a fruta mais cítrica de todas as da sua
família. O suco de qualquer uma das variedades de limão contém cerca entre 5
a 7% de ácido cítrico, na forma de citratos, enquanto as demais frutas
cítricas (laranja, tangerina e pomelo) contêm de 0,6 a 1,0% de ácido
cítrico, ou seja, cerca de 10 vezes menos.

E, de acordo com Steven Nakada, diretor e professor de urologia daquela
universidade, a terapia da limonada, com pouco ou idealmente nenhum açúcar,
irá provocar um aumento da quantidade de citratos na urina, inibindo assim a
formação e precipitação de cristais, que ao longo do tempo vão aumentando de
tamanho e tornando-se “pedras” ou “cálculos”.

A terapia da limonada não tem efeito tão imediato como o consumo direto do
citrato de potássio, mas para quem quer evitar remédios, e fazer um
tratamento preventivo, é uma alternativa muito sábia e consciente. Outra
vantagem é que o suco do limão é um diurético e laxante natural. A receita
indicada pelos médicos daquela universidade é uma parte de suco de limão
para sete partes de água, ou seja, suco de 1 limão diluído em 1 copo de
água.

Cálculos renais se formam quando a urina fica supersaturada (concentrada) de
sais, que irão cristalizar, ou seja, precipitar-se na forma de cristais,
caso a urina não contenha substâncias que evitem esta formação e
precipitação de cristais. Uma dessas substâncias é o citrato.

David Kang, estudante de medicina e pesquisador no Centro Compreensivo de
Cálculo Renal da Universidade de Duke/EUA, descobriu que a terapia da
limonada pode ajudar na prevenção e tratamento por um longo tempo. Ele e sua
equipe acompanharam 12 pacientes que usaram a terapia da limonada por até
quatro anos. Observou-se que ao longo do tempo eles formaram pedras menores
e num ritmo mais lento do que antes de começar tal tratamento.

Logicamente, ainda é necessário um estudo em maior escala para confirmar as
descobertas, mas este trabalho foi apresentado no encontro anual da
Associação Americana de Urologia, em Atlanta/EUA, esta semana, de acordo com
o site de notícias da rede CBS.

Metafisicamente os Rins cristalizam as críticas, desapontamentos e
fracassos.

A cada minuto cerca de 20% do sangue que sai do coração passa por esse par
de órgãos com o formato de feijões. São filtrados 125 ml/min, sendo que 124
ml são reabsorvidos pela circulação sangüínea e 1 ml vira urina (excreto).
Num adulto corretamente hidratado espera-se um volume aproximado de 1,5
litro/dia de urina, que deverá ser idealmente incolor e transparente.

Ao final, os rins filtram todos os líquidos que passam pelo corpo humano,
que representam de 65 a 75% do peso de um adulto. Importante lembrar que
existe uma relação simbólica entre a água e todas as questões emocionais e
sentimentais. A mágoa é uma má água, a tristeza nos faz chorar e etc.

Mas o processo de filtragem é entendido metafisicamente como uma capacidade
de discernimento (o que passa no filtro e o que fica retido?).

No caso dos rins, ele irá filtrar o sangue, ou seja, todas as substâncias
que penetrarem na corrente sangüínea terão que passar pelo seu processo de
seleção que está relacionado com a capacidade interior de se desprender e
eliminar os fatos desagradáveis da vida, como também os comportamentos do
passado, não condizentes com o presente.

A qualidade desta filtragem costuma ser muito afetada pela crítica,
julgamento e malícia. É claro que existem situações perigosas e inadequadas
que não irão nos levar onde queremos. Cabe a nós percebermos e nos
desvencilharmos, jamais nos identificarmos com a situação. Criticar apenas
não resolve, ao contrário, permanecemos presos e não eliminamos aquilo de
dentro de nós.

Além disso, é importante notar que o sistema renal funciona com um “par” de
rins, portanto ele depende de parceria e cumplicidade entre eles para seu
pleno funcionamento. Assim, eles representam a busca pela qualidade dos
relacionamentos interpessoais e a percepção do amor através do outro.

Outra situação interna que atinge os rins é a crença nas dificuldades. Temer
não conseguir realizar representa não ter se livrado das memórias difíceis
do passado. Achar que tudo é difícil e complicado dificulta na seleção e
discernimento, ou seja, entope o filtro, ou seja, gera pedras. Reclamar da
situação é não ver o lado bom que existe nela.

A saída: pensamento positivo e atitudes construtivas irão favorecer no bom
funcionamento renal e do corpo como um todo.

Os cálculos e dores renais revelam dificuldades de relacionamentos não
dissolvidas. Existe embutido também um comportamento emocional infantil ou
rebelde diante dos desafios, principalmente aqueles ligados às nossas
parcerias e uniões.

Atualmente mais de 10% dos homens e 5% das mulheres sofrem de cálculo renal
durante a vida. Explica-se esta desproporção pelo fato das mulheres se
posicionarem melhor no aspecto emocional, enquanto os homens costumam
cristalizar seus desapontamentos.

A incidência varia geograficamente, refletindo diferenças ambientais e
comportamentais. Entretanto, o índice de casos é abruptamente crescente,
associado com a dificuldade das relações e a “modernização” da dieta
ocidental.

Mas, por traz de qualquer problema renal existe um ser dependente dos
outros, com necessidade de apoio, consideração e afeto. Por mais que suas
atitudes afirmem o oposto, criticando os outros e querendo mostrar-se
auto-suficiente. Na verdade, suas expectativas afetivas não estão
acontecendo.

Sal, baixo consumo de água e fibras, consumo em excesso de proteínas,
aditivos químicos e alimentos industrializados são hábitos péssimos para o
pleno funcionamento dos rins.

http://www.todafruta.com.br/todafruta/imgsis/18060.GIF

Mas o simples cuidado de ingerir mais frutas e vegetais frescos e crus, além
de alimentos mais integrais, já impede notavelmente o desenvolvimento de
dificuldades renais.

Cuidados de bom senso:

1) Praticar uma dieta rica (50%) em alimentos crus, frescos, integrais, com
elevado teor de fibras e substâncias antioxidantes, logicamente isentos de
agrotóxicos, Não esquecer das raízes que são excelentes repositores
energéticos dos rins;

2) Hidratar-se diariamente com os sucos da Alimentação Desintoxicante e chás
diuréticos, principalmente os de cavalinha, salsa e dente de leão. São cerca
de 8 copos/dia de líquidos entre sucos, chás e água e;

3) Fazer uso diário da Terapia da Limonada.

Alerta Importante: durante uma crise renal, não se deve consumir o limão,
pois, neste caso, será contra-indicado. Seu poder adstringente atuaria
contra a expulsão, retardando-a ao invés de acelerá-la. Mas, a não ser no
momento de crise, seu efeito será sempre benéfico, atuando como um
coadjuvante do tratamento principal.

***

* Química, cientista, palestrante e escritora sobre temas voltados para
alimentação natural, bem-estar e qualidade de vida.

Data Edição: 25/07/08    
Fonte: Doce Limão    
Comments