Alimentação‎ > ‎Artigos e Estudos‎ > ‎

Sobre "ser ou não ser", na alimentação

Não costumo abordar muito esse tema no dia a dia, até porque muito já disse sobre isso (está na linha de tempo e álbuns, procurem lá).

A questão é que muitas pessoas continuam tentando, umas convencer as outras, do que é certo e errado quanto a alimentação, fora outras questões claro, que não vem ao caso, mas serve de paralelo.

Vou resumir um fato que vivenciei durante os últimos 10 anos sobre isso. Sou vegetariano já a mais ou menos 10 anos, não lembro exatamente quando parei de comer carne. Bom, esse 10 últimos anos, passei por lacto-ovo-vegetariano, depois passei para vegetariano, vegano, ai fui para alimentação crudivorista, frugal, pratiquei muitos jejuns sazonais, estudei uma série de práticas e fiz muitas delas... depois de uns 5 anos voltei para vegetarianismo (mesmo ainda não usando produtos vindos de animais como sabonete que não seja de glicerina, cinto de couro, etc), depois de 5 anos voltei a consumir ocasionalmente derivados de leite e ovos. No vai e vem, depois de 7 anos de vegetarianismo comecei a sentir umas tonturas estranhas, devaneio e fraqueza, o que não entendi na época, pois pensei estar fazendo o mais correto. O fato é que busquei varias alternativas e não descobria o que era, achei até que poderia ser "ataque espiritual" e outras coisas do tipo, e busquei ajuda nesse sentido também. Depois de quase 2 anos com essas tonteiras intermitentes, ou seja, dia tinha, outro não, as vezes durava uma semana... e tudo isso eu trabalhando, treinando minhas práticas, enfim, não achava nada. Fiz vários exames, até mesmo no neuro me indicaram ir para ver se não era mais sério, e não constava nada em nenhum exame, graças a Deus. Resumindo, entre idas e vindas por conta própria resolvi pedir um exame de sangue completo, que aparece tudo e mais um pouco, inclusive as taxas de vitaminas. Resultado, minha B12 tinha baixado muito, estava abaixo do mínimo. Assustei com isso, porque não fazia nem ideia na época, isso a uns três ou quatro anos atrás, que B12 poderia gerar esses sintomas. Já tinha ouvido falar em livros e artigos a respeito, mas muitos desses artigos e estudos eram inclusivos, ou um contradizia o que o outro falava. Achava que B12 o corpo produzia, ou que tinha como extrair praticando uma alimentação comum (vegetariana). Mero engano, a minha falha de percepção gerou muitos transtornos, achismos e pensamentos equivocados. Quando vi o exame, estudei a fundo a respeito e encontrei um artigo de uma médica, acredito que vegetariana também, onde dizia ser melhor tomar suplemento de B12 dia sim dia não, do que tratar com injeções. Mais uma vez resumindo a história, comprei um suplemento vegano de B12 (da Unilife, foi o único que achei nesse sentido por aqui), e comecei a tomar. Nos primeiros meses já comecei a sentir diferença, espaçando cada vez mais as "tonteiras" estranhas. Depois de um ano tomando periodicamente, dia sim dia não, ou de três em três dias, praticamente acabou as tonteiras. Refiz exame de sangue depois de um ano, e a taxa de B12 já tinha quase dobrado, e esse dobrado significa que saiu do minimo para uma taxa adequada (na escala, pelo menos no exame que fiz, vai, se não me falha a memória, de 150 a 900). Ou seja, se eu na época tivesse conhecido alguém com orientações melhores a respeito de alimentação, muitos problemas poderia ter evitado, inclusive duas hemorroidas, que judiaram durante quase 5 anos, até que resolvi operar para retirar, o que dói muito mesmo, fora outras questões a respeito que não pretendo comentar abertamente.

A questão da B12, assim como vitamina D, cloreto de magnésio, ácido fólico, entre outros, é que o solo está pobríssimo hoje em dia, devido aos agrotóxicos e falta de tratamento adequado do solo. Enfim, o mesmo arroz com feijão, frutas e legumes que nossos avós comiam no passado, com solo bem tratado, não é nem de perto o mesmo que comemos hoje.

Muitas vezes devido a falta de orientação as pessoas acabam caindo no achismo, lendo tudo o que aparece pela frente e colocando em prática sem o preparo adequado, onde acabam se prejudicando muito. Não estou dizendo que alguém precisa ou não comer carne, leite, ovos ou algo assim, não é o caso, mas sim aprender a escutar o próprio corpo, sentir seus limites e não acreditar em tudo o que dizem. Vejo muitos amigos iniciando o caminho de veganismo ou vegetarianismo com o mesmo "gás" que eu tinha a 10 ou mais anos atrás, publicando centenas de textos dizendo que ninguém precisa de nada para viver... cuidado pessoal, os primeiros 5 ou 7 anos são realmente muito interessantes, pois pouco sentimos falta de algo, mas estatisticamente, a B12 depois de 5 anos começa a faltar no organismo, gerando transtornos se a alimentação não for adequada. Claro que vai aparecer várias pessoas dizendo que são veganas a 10, 15, 30 anos e não sentem nada. Como disse, não estou dizendo o que é certo ou errado, nem incentivando ninguém a nada, apenas passando a minha experiência, do meu corpo físico. Que ninguém precisa de nada para viver é fato, basta encontrar alguém em alimentação prânica ou bigu para verificar isso, mas essas pessoas passaram por métodos intensos de transformação, anos, décadas de práticas internas para estarem nesse estado indefinidamente. Tudo está na mente? De certa forma sim, mas até isso se torna algo concreto e não meros achismo ou teoria imaginária, cuide-se para poder viver bem e com saúde.

O fato é que tudo nessa Terra atual está contaminado de alguma forma. A não ser que more afastado de cidades grandes e consuma produtos orgânicos de terras limpas, o que não vemos mais hoje em dia, vai ter algum tipo de contaminação. As frutas, verduras e legumes, estão quase todas inundadas de agrotóxicos, ou sofreram mutações por serem transgênicas. Então não acho prudente um ficar tentando convencer o outro do que é certo ou errado. Cada um pode falar da própria experiência e vivência, mas não impor ou taxar ou outros apenas pelo que comem.

Fato que refrigerantes, muito açúcar, sal, guloseimas, álcool, entre outros alimentos nocivos, irão trazer suas consequências. Mas tem um ditado sábio na medicina chinesa que diz que para todo veneno existe um antidoto. Então que cada um busque seus antídotos, mas principalmente, dentro do possível, evitem ingerir veneno.

O corpo humano precisa estar limpo em muitos sentidos para não adoecer. A questão do que come já foi dito no passado remoto, "você é o que você come", mas na verdade você não é o que come, mas sim habita uma casa que é construída, em partes, pelo que come, pensa e coloca em ação, entre outros fatores.

Eu mesmo, no passado, já defendi e publiquei muitos artigos incentivando o vegetarianismo, veganismo, frugivorismo, jejum... muito já falei sobre isso, mas em nenhum momento julguei ninguém ou disse que as pessoas deveriam fazer isso ou aquilo, apenas publiquei coisas que aprendi ao longo das minhas experiências, assim como estou fazendo novamente agora. Não estou entrando em méritos espiritualistas sobre o assunto, apenas coisas práticas físicas, sobre saúde do corpo. Sobre questões espirituais, busque o que acredita e lhe compete, sem julgamentos a propósito, pois até nisso existe muita contradição. Se agir com compaixão, o necessário lhe será dado a respeito.

Apenas resolvi postar isso para deixar claro que cada um passa por seu momento, e o que muitas vezes é bom para um, com certeza será prejudicial para outros. Nunca diga que é melhor que outra pessoa simplesmente pelo que come, o simples fato de pensar isso já coloca uma tarja preta escrito tolo na testa.

Se no momento atual acha que parar de comer carne vai ajudar, pare e sinta como seu corpo reage. De tempo para se adaptar, sentir o que melhorou, e não se cobre tanto a respeito. O principal é não forçar algo que não seja adequado, prejudicando a saúde (Ahinsa vale para tudo, não somente dentro da sala de práticas).

Tudo nesse mundo, com respeito a alimentação, é sofrimento. Talvez apenas a alimentação frugal seja isenta, em parte, de sofrimento. Os animais sofrem muito quando são mortos, e o corpo humano sofre quando ingere carne. As plantas sofrem quando são cortadas e mortas, elas também sentem, e as frutas que virariam plantas, sabem que estão sendo consumidas... tudo é vida, tudo tem certo tipo de energia que vibra e "sente", se posso dizer isso dessa forma. Tudo é sofrimento, e a única forma de acabar com o sofrimento é evoluindo como um todo, aprendendo a respeitar a natureza, os animais, seus semelhantes, plantas, pedras, céu e terra.

Gosto muito do filme "Avatar", pois segue muito o que antigas tribos da Terra faziam, e algumas poucas ainda fazem, que é agradecer e consagrar o alimento antes de consumir (não de forma mecânica como vejo muitos fazerem por ai, mas com gratidão de intenção pura). Isso transmuta em muito a energia do alimento. Portanto, gratidão é uma forma de purificação. Claro, se o alimento está repleto de agrotóxicos e toxinas, procure não se acomodar e buscar, dentro do possível, o que lhe faz bem e está de acordo com suas necessidades.

Muitas práticas espirituais, não vou entrar em detalhes que não é o foco, ajudam nessa transformação. Práticas como yoga, qigong, entre outras, tem métodos internos que ajudam na purificação de todo o corpo físico e energético em muitos níveis, o que facilita, em muito, todo tipo de transição.

Aconselho sempre as pessoas, desde então, a fazer um exame de sangue periódico, principalmente quanto as taxas de B12, D e A. Vitamina B12 e D em falta trazem muitos problemas sérios, que acabam assim como eu fiz, se confundido até com coisas que não tem nada a ver. Busque a medida que lhe convém, e entenda que o corpo, a não ser que já esteja em outros estados de consciência a respeito, preciso de alimentos compatíveis aqui na Terra para se manter saudável. Sei que hoje em dia está cada vez mais difícil achar algo saudável, então busque equilibrar alimentação com práticas internas ou outras que seja afim.

É isso pessoal, já falei demais né. Fica como uma humilde sugestão a respeito, de alguém que a anos pratica, vivenciou e vivencia muitas dessas coisas fascinantes que muitas vezes nos deparamos, mas que devemos sempre respeitar dentro dos limites aos quais nosso corpo vai permitindo. A não violência começa sempre dentro de nós.


Paz e Luz!
Terry
Comments