Benefícios do Kefir

Benefícios do Uso do Kefir

Embora o uso continuado do kefir proporcione inquestionáveis benefícios ao
organismo, deve-se levar em conta que não se trata de nenhuma panacéia e, em
caso de qualquer doença diagnosticada, o médico deve ser procurado e
consultado quanto à conveniência de se aliar o uso do kefir ao tratamento.

É um produto facilmente digestível, e é uma boa fonte de proteína e de
cálcio. O kefir pode conseqüentemente ser incluído como parte da sua dieta
diária. A purificação orgânica que promove auxilia a obtenção de um eco
sistema interno perfeito para a saúde e para a longevidade.

Para bebes a sua colaboração no desenvolvimento de um aparelho digestivo
saudável é vital. Kefir é rico em vitamina B12, B1 e vitamina K. É uma fonte
excelente de biotina, a vitamina B que aumenta a assimilação das outras
vitaminas do complexo B.
Os grãos de kefir têm propriedades anti-tumorais, antibacterianas e
antifúngicas. Estas propriedades abrangentes podem explicar a razão para o
uso do kefir no numeroso relato de curas das doenças.
O trabalho experimental realizado no Japão com cobaias mostrou que o consumo
do kefir pode proteger o corpo de encontro a um desafio do câncer. Se o
kefir for consumido antes da exposição ao câncer, a incidência dos animais
que desenvolvem o câncer é reduzida. Se o uso se mantiver após a exposição
ao câncer o crescimento e a velocidade do crescimento do câncer estão
reduzidos.

O kefir tem sido usado no tratamento de pacientes que sofrem de AIDS pois
aumenta a imunidade em grande escala e ainda atua como elemento
desintoxicador da enorme carga de medicamentos a que o doente se vê
submetido.

Promove uma absorção orgânica muito maior de sais minerais e vitaminas,
principalmente a vitamina B12, ajudando nos problemas de desnutrição.
Auxilia a absorção de proteínas.

Seu uso continuado produz muito bons efeitos em convalescença após graves
doenças. Quando se têm afecções crônicas, deve-se beber kefir de água, pela
manhã, ao meio dia e pela noite, ½ litro cada vez. Digestivo, não produz
intolerância ou efeitos colaterais. Em doenças graves e prolongadas deve ser
tomado abundantemente três vezes ao dia meio litro por vez.

O kefir tem efeito comprovado no auxílio do tratamento de:
  a.. Distúrbios nervosos: ansiedade, insônia, síndrome de fadiga crônica;
  b.. Catarros bronquiais e outros problemas respiratórios;
  c.. Alergias;
  d.. Escleroses;
  e.. Reumatismo e L.E.R.;
  f.. Tumores;
  g.. Problemas cardio-vasculares (infarto e arteriosclerose);
  h.. Problemas de vesícula;
  i.. Disfunções hepáticas;
  j.. Problemas renais e icterícia;
  k.. Doenças do estômago: gastrite, úlceras pépticas e duodenais,
regulariza a digestão;
  l.. Problemas intestinais: diarréias, intestino preguiçoso ou preso,
hemorróidas. O kefir previne putrefação intestinal causada por depósito nos
intestinos e contribui para depuração do organismo e restaura rapidamente a
micro flora intestinal, o que é ótimo para quem se submeteu a longos
tratamentos com antibióticos.O kefir de água, após 12 horas de fermentação
produz efeito laxativo no intestino e o de 40 horas de fermentação prende o
intestino;
  m.. Problemas de sangue: anemia, leucemia;
  n.. Problemas de pele: dermatites, eczemas, lupus, cândida, psoríase,
herpes;
  o.. Males do Século: irradiações, exposições a monitores de vídeo, na
desintoxicação de poluentes tóxicos;
  p.. Excesso de peso: atuando como um enzimático poderoso, acentua
amplamente o anabolismo, ou seja a assimilação de nutrientes e por provocar
um equilíbrio geral do organismo, provoca uma sensação agradável de
saciedade, que reduz o hábido de comer por compulsão, depressão ou
ansiedade. Também já está provado que as melhores dietas são aquelas em que
a pessoa se alimenta várias vezes durante o dia, em pequenas quantidades. O
kefir, especialmente o de leite, pode ser usado nestes pequenos
"lanchinhos", substituindo outros alimentos mais calóricos, mesmo quando
batido com frutas e cereais, desde que se evite o uso de açúcar ou mel.
Porém, a associação simultânea de kefir com jejum não é recomendada e para
os que gostam de jejuar o uso nos dias de jejum pode ser suspenso. Se
alimentar só de kefir é uma atitude errada e contra indicada.
Para ampliar os benefícios do kefir, deve-se adotar os rituais tradicionais
das montanhas do cáucaso por inteiro ingerindo, além do kefir recém coado,
também os grãos excedentes do kefir e o kefir maturado com ervas, frutas ou
óleos essenciais.

A maioria das pesquisas que analisaram os efeitos do kefir, foi executada
com os grãos ou o polissacarídeo Kefiran. O interesse inicial no kefir
surgiu quando o famoso cientista russo, professor Mechinkov, soube da alta
longevidade dos povos caucasianos e creditou-a aos efeitos do consumo
regular do kefir e não se pode negligenciar que eles ingeriam grãos do kefir
regularmente.

O kefir maturado por um ou dois dias, a uma temperatura de 12º e 22º C, o
ácido fólico deve aumentar uns 117% e possivelmente 125% quando comparado ao
leite fresco original. Há outras vitaminas do complexo B que aumentam,
diminuem ou permanecem inalteradas devido à maturação. Outros benefícios da
maturação incluem a redução da lactose - desejável para os indivíduos
intolerantes a ela-, a redução do nível de carboidratos - para aqueles que
devem consumir pouco carboidrato, por razões outras que não o diabetes - e a
evolução da microflora, encorajando determinados organismos a se
proliferarem, devido a determinadas circunstâncias e a sub-produtos de
outros organismos específicos. Com isto , o valor benéfico único do kefir
amadurecido, é diferente daquele de um kefir recém coado.

Os caucasianos amadureciam ou fermentavam o kefir coado por alguns dias
antes de consumi-lo. A raiz fresca da Neve Rosa [Thododendrum Caucasicum] um
rhododendron nativo à área, era freqüentemente adicionada e fermentava com
kefir líquido durante a maturação. A raiz da Neve Rosa contém antioxidantes
poderosos. Ervas específicas podem ser adicionadas ao kefir líquido, e
fermentadas junto para amadurecer. Tais procedimentos podem gerar um kefir
específico, para uma condição específica. Como um exemplo, para aliviar a
flatulência e ou para fortificar a função gástrica, a alcaravia, a
erva-doce, a semente de anis e a canela em casca, podem ser moídas,
adicionadas ao kefir fresco e deixadas em maturação por 1 ou 2 dias, em
temperatura ambiente. Esta forma kefir pode ser altamente recomendado para a
prevenção ou o controle do diabetes devido aos benefícios da canela em
casca.

Descobriu-se-se que os produtos do ácido lático eram ineficazes na
eliminação da disbacteriose (enterite) provocada por fungos ou proteus [13].

Diferença dos Benefícios
Apesar dos efeitos probioticos do Kefir e do Iogurte, eles parecem produzir
ou induzir os benefícios em mecanismos diferentes, que são restritos e
individuais.
Não se conhece qualquer pesquisa científica atual referente aos benefícios
do kefir de água, muito menos das diferenças entre os benefícios do kefir de
leite Vs kefir de água. Sob o microscópio, o kefir de água tem atividade
fermentativa mais alta que o kefir de leite. A produção de CO2 e álcool
confirma isto, ambos são produzidos em proporção maior no kefir de água
(dependendo da porcentagem de açúcar e tempo de fermentação).
Dependendo do processo de cultura, pode-se determinar o resultado referente
aos possíveis benefícios do kefir para consumo. Um kefir de leite fermentado
menos tempo produzirá efeitos probióticos distintos aos do kefir mais ácido
para um mesmo indivíduo. Alguns acham que o kefir de leite menos ácido tem
efeito laxante, enquanto um kefir mais ácido pode produzir constipação para
o mesmo indivíduo. Quanto à ação do peristaltismo, foi descoberto que o
kefir de leite mais ácido tomado pela manhã, produzirá uma ação mais forte
do peristaltismo que um kefir menos ácido. O kefir de água não induz uma
ação semelhante.
A maioria dos indivíduos que ingeriu kefir de leite pela primeira vez, teve
que evacuar pouco depois de ingerir um copo de kefir de leite fresco
(comparado à ingestão do kefir acido ingerido varias vezes ao dia).
Esta ação não se repete com os indivíduos que ingerem kefir de água pela
primeira vez.
Ingerir um kefir de leite menos ácido pode aumentar as contagens de certos
microorganismos do trato Gastrointestinal. Um kefir mais ácido pode fornecer
outros benefícios, melhorando o funcionamento do fígado e da vesícula biliar
ao custo da diminuição dos microorganismos do trato gastrointestinal. O
kefir de leite mais ácido pode ter um efeito diurético suave. Este efeito é
compartilhado pelo kefir de água cultivado por 48 horas. Embora o kefir de
água tenha a tendência a induzir a passagem da urina dentro de 30 minutos
após a ingestão, em alguns casos a freqüência pode ser a cada 10 a 30
minutos por algumas horas. Isto pode ser visto como moderado efeito
diurético, que pode ser um benéfico para condições específicas tais como o
edema.
Quanto ao valor nutricional, o kefir de leite tem um valor nutricional mais
alto que o kefir de água. Se o kefir de leite é amadurecido à temperatura
ambiente (ou no refrigerador) por até 3 dias, o conteúdo de ácido Fólico
aumentará mais de 120% em comparação ao leite fresco.
Certos indivíduos tiveram suas úlceras gástricas, em estágios iniciais e
avançados, curadas com êxito pela ingestão do kefir de leite, mas não há
registros de que o kefir de água pode ajudar da mesma forma.
Um kefir de água feito com a adição de ervas medicinais deve incluir os
benefícios e os efeitos colaterais das ervas usados na preparação da bebida
herbácea probiotica. Veja Kefir de Ervas para saber mais. A cultura do
produto final pode incluir a propagação de certos microorganismos, que são
nativos à microflora da erva fresca ou seca usada no processo como a Lb.
plantarum.
O Kefir tem uma microflora vasta, cuja evolução é dependente da duração do
processo de fermentação. Um kefir mais suave(fermentado por menos tempo)
conterá uma microflora mais rara enquanto o kefir mais ácido, ou mais
amadurecido, contêm mais bactérias acido Lácticas tais como Lb. acidophilus
e Lb. Brevis são achados em maior proporção no fim da fermentação. Por serem
incapazer de tolerar maiores quantidades do ácido láctico (derivado da
metabólise da lactose), os Leuconostoc Mestenteroides e outros
microorganismos do inicio da fermentação, diminuem conforme o kefir torna-se
mais ácido enquanto os Lb. acidophilus e Lb. Brevis gostam de acidez e por
isso toleram condições ácidas.

Interferon produzido pelo kefir de leite.
Descobriu-se que o kefir de leite induz a secreção de interferon pelas
células. O Interferon é uma glicoproteína produzida pelas células em
resposta a um ataque viral, tal como a Hepatite, cuja função parece ser
desencadeada por mecanismos de defesa das células não infectadas.
Acredita-se que o Interferon é eficiente contra doenças virais incluindo
algumas formas de câncer. O kefir aumentou a secreção de interferon-beta em
um humano com osteosarcoma, tratado com um indutor químico. A substância
ativa no kefir foi descoberta como sendo a sphingomielina [SpM]. A SpM do
kefir é uma mistura de quatro espécies de SpMs a C21-, C22, C23- e C24. As
SpM fermentadas do leite aumentaram a secreção de interferon em 14 vezes,
enquanto SpMs de outras fontes aumentaram só 2 -3 vezes.
Fontes: [1, 20, 21]
Fonte: http://paginas.terra.com.br/saude/kefir/faq.htm

História do Kefir:
Cultura de kefir reúne variedade de lactobacilos e leveduras
IGOR RIBEIRO
free-lance para a Folha

Mercado afora, é imensa a oferta de bebidas e iogurtes com bacilos,
lactobacilos, leveduras e outras bactérias benéficas que prometem regular
o intestino e prover uma série de vitaminas ao organismo. O que pouca gente
sabe é que esse tipo de alimento --chamado de probiótico-- pode ser feito
em casa, a partir do cultivo de uma colônia de organismos vivos chamada
kefir.

"O kefir é um conjunto de lactobacilos e de algumas leveduras, que se
alimentam da lactose contida no leite, fermentando-o", explica Orlando
Zancanaro, professor da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP.
"O kefir é composto por bactérias não-patogênicas. Elas colonizam o trato
digestivo e acabam inibindo o crescimento de bactérias agressivas", diz
Aderson Damião, médico do Departamento de Gastroenterologia da Faculdade de
Medicina, também da USP. "Além de ajudarem na digestão, elas produzem cálcio
e vitaminas importantes."

É o produto da fermentação do kefir que configura a bebida probiótica. A
bebida costuma ter o aroma e a consistência semelhantes aos da coalhada
fresca, com sabor similar ao do iogurte, e pode ser consumida pura ou com
açúcar, cereais, mel ou batido com frutas.

"Apesar de os benefícios da ingestão desse tipo de alimento não serem
comprovados empiricamente, há exemplos de pesquisas por amostragem
demonstrando que o hábito de beber kefir colaborou na inibição de alergias
cutâneas", afirma Damião. "O kefir também ajudou em muitos casos de
candidíase", ilustra Zancanaro.

História

Como se não bastassem seus benefícios, uma história com ares épicos conta
como se espalharam pelo mundo os grãos de kefir.

No início do século 18, somente as tribos muçulmanas que habitavam a
região do Cáucaso, na Ásia Central, tinham acesso ao kefir. Gerado,
possivelmente, na fermentação casual do leite que era carregado em coldres
de couro, a população local se referia aos grãos como "jóias de Alá".
Associado à religião, o kefir era passado de geração em geração somente
entre os muçulmanos.

Alertada sobre a substância "milagrosa", a Sociedade de Médicos Russa
tentou, nos primeiros anos do século 20, conseguir alguns desses grãos. Em
1908, os médicos pediram ajuda ao dono de uma indústria de laticínios na
cidade de Kislovodsk, Nikolai Blandov. Para isso, o empresário enviou uma
empregada sua, Irina Sakharova, à missão de seduzir o príncipe muçulmano
Bek-Mirza Barchorov e dele adquirir algum kefir. O príncipe apaixonou-se
pela mulher mas, receoso de quebrar a tradição islâmica, negou-lhe a "jóia
de Alá". Ao perceber que o plano falhara, Sakharova fugiu. Depois, foi
raptada por guerreiros de Barchorov, que pretendia desposá-la.

Blandov então preparou uma missão de resgate, na qual o príncipe também
foi preso e levado ao czar russo. Como "fiança", Barchorov pagou dez libras
de
kefir (aproximadamente 4,5 kg) à Sakharova, que os distribuiu à população
de Moscou, em setembro de 1908. Em 1973, aos 85 anos, Sakharova ganhou uma
carta do ministro da Indústria de Alimentos da União Soviética,
e agradecendo e reconhecendo seu papel na popularização do kefir.

Modo de fazer

Adicione de duas a quatro colheres (de sopa) de kefir para cada litro de
leite. Quanto menor a quantidade de grãos em relação à de leite, mais tempo
demora para ficar pronto. O recipiente para armazenamento deve ser
preferencialmente de vidro, mas pode-se usar inox ou plástico. Tampe-o,
mas deixe uma saída de ar (a solução ideal é usar um pano fixado por um
elástico no bocal do recipiente). Em temperatura ambiente, a solução fica
pronta em 24 horas. A fermentação é mais rápida sob temperaturas maiores --
por outro lado, quem preferir manusear o kefir a cada dois dias ou mais pode
armazená-lo na geladeira. O sinal de que a fermentação ocorreu é a
coagulação do leite. Com o uso de um coador e um segundo recipiente,
separe o leite fermentado dos grãos de kefir. O produto fermentado deve ser
armazenado em geladeira e consumido em, no máximo, três dias. Os grãos
devem ser recolocados no recipiente, com novo leite.

Cuidados na manutenção:

- Nunca colocar os grãos de kefir em contato com qualquer material que não
seja vidro, plástico ou inox
- Para lavar o recipiente onde os grãos são armazenados, deve-se usar água
fervida --o cloro é nocivo ao kefir
- Se os grãos apresentarem coloração estranha, diferente da típica branca,
ou cheiro duvidoso, o kefir deve ser descartado
- Se notar a separação de um soro de cor esverdeada, provavelmente ocorreu
fermentação excessiva. Dilua a solução em leite para consumo
- Com o cultivo, as bactérias vão se multiplicar. Se a quantidade de grãos
ultrapassar suas projeções, o ideal é doar parte à alguém. Foi desse modo
que o kefir se espalhou pelo mundo e, ainda hoje, é seu principal método
de difusão.

fonte:
http://www.equipeharmonica.com.br/portal/index.php?option=com_content...
iew&id=28&Itemid=3
Comments