Algumas dicas importantes sobre cristais

Cristais de uma só ponta:

São cristais colunares rematados num dos seus extremos por uma ponta em forma de pirâmide mais ou menos regular; o outro extremo é o que estava implantado na base ou raiz mineral em que cresceram, e de onde foram separados. Associam-se ao número um, isto é, ao individualismo. São um dos cristais mestres da gemoterapia que os utiliza como "geradores" de energia. Dada a sua forma, são muito úteis para dirigir o fluxo de energia até um ponto específico, pelo que são mais utilizados em tratamentos corporais que têm como objectivo concentrar a energia num determinado chakra. Por vezes, se se inverter a sua posição de modo a que a ponta não fique apontada para o chakra, mas para fora dele, servem também para desbloquear o chakra ajudando a libertar as energias negativas, as tensões e as ansiedades que foram anteriormente acumuladas.

Cristais de dupla ponta:

São cristais mestres cujos extremos são rematados por pontas. Associam-se ao número dois, que representa a unificação e a síntese dos dois opostos no pensamento oriental; Yin (o feminino) e Yang (o masculino); positivo e negativo; frio e calor; vida e morte; luz e obscuridade. A resolução, em difinitivo, das duas partes em conflito. Nos cristais de ponta dupla a energia flui em ambos os sentidos, característica que os torna idóneos, para unir e resolver as contradições entre o físico e o espiritual. Usar um cristal de dupla ponta pendente sobre o peito ajuda a ajustar e a harmonizar a relação entre o corpo e a mente, a ação e a reflexão, os instintos e os sentimentos, a sexualidade e o amor. São ideais em meditação quando se deseja alcançar ou recuperar o equilíbrio psíquico ou emocional, que facilmente se vê afectado pelas pressões a que a nossa vida diária nos submete.

Cristais Laser:

Os cristais laser são uma variante dos cristais de uma só ponta. O seu corpo é alargado e não tem uma forma prismática regular, visto que é mais largo na base e progressivamente, até terminar numa finíssima ponta. Geram um poderoso e penetrante feixe de energia, utilizado especialmente para desbloquear os chakras.

Cristais Gémeos:

São cristais de uma só ponta e de um mesmo mineral que crescem unidos por uma das suas faces. São também denominados "gémeos tântricos". No pensamento hindu o "tântra" é a união em harmonia entre a energia do corpo físico e a energia do espírito infinito, e também entre a energia feminina e a energia masculina. Por isso os cristais gémeos propiciam a união plena entre dois seres distintos e favorecem o encontro das almas "gémeas".

Associações e Drusas:

Raras vezes os cristais crescem separados, mas desenvolvem-se em conjunto de uma mesma base ou raiz mineral. As drusas são grupos de cristais de terminação única que partilham uma base comum e que não foram separados desta. Trazem o bebefício que pode obter-se da covivência em harmonia de diferentes entidades individuais, de corpos distintos que unem as suas energias, de comunidades de seres desenvolvidos na sua plenitude. São, por essa comunhão de forças, cristais muito potentes que favorecem a cooperação no trabalho e em outros campos da vida. As drusas focalizam a energia em tantos pontos quantos os que os cristais tenham, característica aproveitada pela gemoterapia para dirigir aos chakras uma chuva de vibrações.

Geodos:

São associações ou drusas de cristais formados em concavidades ou rochas ocas fechadas. Não se costumam utilizar em práticas terapêuticas, mas servem para limpar e recarregar os outros cristais no final da uma sessão.

Maclas:

São formações cristalinas resultantes da união de dois ou mais cristais da mesma espécie. Esta união pode produzir-se pelo simples contacto, ou por compenetração quando dois ou mais cristais se atravessam uns aos outros. Algumas maclas são características de determinados minerais, como a cruz de ferro da pirite. As maclas favorecem a compenetração, a união entre entes queridos, acentuam o sentido de solidariedade, tornam mais complexas e ricas em significado as relações íntimas e as relações de amizade.

Varetas:

Os cristais de certos minerais, como os berilos, as esmeraldas, as águas-marinhas, as turmalinas e a malaquite sum africana desenvolvem-se formando delicadas varetas cilíndricas ou prismáticas, mais ou menos largas. Tratam-se de cristais que são excelentes conectores ou condutores de energia, e utilizam-se em gemoterapia para extrair e "drenar" as energias nocivas dos chakras. Esta forma, colocadas por exemplo uma no seguimento da outra, a partir do chakra de base e ao longo de ambas as pedras, ajudam a descarregar de impurezas o leito axial por onde flui a energia dos sete chakras maiores.

Pirâmides:

Não é facil encontrar cristais de forma piramidal pura, mas não é difícil observar a presença de pirâmides na configuração externa de muitos cristais virgens, ainda que geralmente apareçam unidas a outras formas geométricas. Há, por exemplo, um grande número de cristais que são formados por duas pirâmides unidas pela base. E, em maior número, estão os cristais prismáticos terminados em pontas piramidais mais ou menos regulares, seja num só extremo ou nos dois. A pirâmide é uma configuração arquitectónica cristalina que gera um campo de energia sólido, estável e equilibrado, pelo que é muito apreciada em gemoterapia para provocar estados de relaxamento e meditação, de tal forma que muitas escolas cristaloterapêuticas precinizam o uso de cristais trabalhados com o objectivo de dispor de formas piramidais perfeitas.

Seixos Rolados:

Muitas vezes os cristais encontram-se na natureza em lugares distantes das rochas onde cresceram. Após serem extraidos da base mineral a que estavam unidos pela ação dos agentes erosivos, as torrentes e os rios arrastam-nos e vão-nos depositando ao longo do seu curso. Neste processo os cristais fragmentam-se e sofrem a erosão convertendo-se em pedras polidas. Pelas suas formas isentas e linhas e moldadas pelo tempo e pelos elementos, são cristais que irradiam uma energia serena mas persistente, por isso usam-se para preparar espaços de meditação e para encher de serenidade os espaços de uma casa. Se for suficientemente grande, pode também ser usada para fazer massagens.

Cristais com "Fantasma":

São cristais em cujo interior se formou um cristal "fantasma" de outro mineral Considera-se que o cristal fantasma pode ajudar-nos a recuperar a memória da nossa vida passada e a estabelecer contato com o nosso subconsciente, incluindo com as nossas recordações genéticas.

Cristais Obelisco:

Há na natureza cristais cuja geometria se aproxima da forma dos obeliscos que levantaram muitas civilizações antigas, entre elas a egípcia. Mas como os obeliscos naturais bem formados não são fáceis de encontrar, muitos cristaloterapeutas utilizam os talhados. Os obeliscos provêm, na realidade, dos monolitos pré-históricos; como eles têm a função de criar um campo de vibrações benéficas unindo a energia telúrica e energia cósmica. Colocam-se também nos locais da casa em que costumamos passar muito tempo(sala,quarto), para que as suas vibrações harmonizem e equilibrem a aura das pessoas que aí vivem.

Cristais Arco-íris:

Curiosamente, ancontramos o mágico arco colorido que aparece no céu quando o sol brilha atrás da chuva, zelosamente guardado no interior de alguns cristais. Com efeito, o arco-íris produz-se porque o cristal tem no seu interior estrias ou minúsculas fracturas, nas quais a luz branca se decompõe nas sete cores do espectro. Da mesma forma que os raios de sol barram a obscuridade da tempestade e enchem o espaço de cor, os cristais arco-íris dissipam a tristeza e a melancolia e desenvolvem a alegria. Colocados sobre o chakra do coração, estes cristais utilizam-se para superar estados depressivos ou desânimo e frustração.

Cristais Esferas:

Também não existe na natureza cristais de forma esférica perfeita, mas desde a antiguidade muitas culturas utilizaram, seja como instrumentos adivinhatórios seja como instrumentos terapêuticos, esferas talhadas em diversos tipos de cristais de grande transparência ou grande brilho (quartzo hialino, berilo, água-marinha, odsidiana, etc.). As esferas cristalinas geram campos de vibração energéticas envolventes e protetoras. Muito semelhantes aos cristais esféricos são os cristais talhados de forma oval, de uso ancestral em muitas culturas da África Equatorial; na gemoterapia moderna usam-se para aliviar a tensão corporal.


Limpeza e proteção dos Cristais

Para obter os benefícios do cristal, devemos aprender a limpá-los e cuidá-los de forma adequada. Tanto se tiver sido escolhido por nós, como se nos tiver sido oferecido, as operações de limpeza devem praticar-se desde o primeiro momento e ser repetidas enquanto dure a nossa relação com ele.

Os Cristais têm a capacidade de absorver as vibrações negativas dos corpos e dos seres vivos com que entram em contato para purificá-las e harmonizá-las.


Fontes de contaminação

  1. Contaminação absorvida nas sessões terapêuticas, como emoções, sentimentos e pensamentos negativos.

  2. Poluição ambiental, como gases nocivos e sujidade orgânica.

  3. Contaminação elétrica como, campos magnéticos gerados por aparelhos elétricos.

  4. Poluição sonora.

Não obstante, existem muitos fatores contaminantes que podem diminuir o poder terapêutico e harmonizador dos cristais. Tratam-se de energias negativas que podem encontrar-se no meio ambiente, ou provir das vibrações que geraram as pessoas que estiveram em contato com elas anteriormente. As fontes de contaminação podem ser muito variadas: luz, som, emoções, pensamentos, desejos, carências, entre outras, e a finalidade da limpeza dos cristais não é mais do que neutralizar as energias negativas que estes captaram, para impedir a sua transmissão, e restituir-lhes o seu estado neutro.

A limpeza energética de um cristal busca um duplo objetivo, por um lado, trata-se de eliminar a negatividade do cristal; e por outro dar-lhe energia para que recupere o mais possível a sua pureza e todas as suas propriedades originais.

O contato com a água pode ser um dos fatores principais que afeta diretamente as qualidades de alguns tipos de cristais.


Cristais que se deterioram com a água

  • Celestina- Devemos evitar molhá-la porque é levemente solúvel na água.

  • Lápis-lazúli- É poroso. Há que secá-lo e nunca submergi-lo na água.

  • Malaquite- Só pode lavar-se com água fria, deve evitar-se água morna e quente.

  • Sal gema- Dissolve-se com rapidez quando submergida na água.

  • Selenite (gesso)- A água quante provoca a sua dissolução.

  • Turquesa- É conveniente evitar que se molhe, e nunca se deve embeber.

  • Marcassite- Não convém molhá-la, pois chega inclusivamente a oxidar.

  • Ortose- A água quente altera-a facilmente.

A luz e o calor, fenómenos naturais frequentemente benéficos, podem descolorar ou modificar a cor, e alterar a configuração cristalina de alguns minerais de grande importância em gemoterapia. No que diz respeito a este aspecto, os cristais mais delicados são o topázio, a rodocrosite, a crissocola, a apatite, a variscite, a ametista, o quartzo-rosa, a opala, a turmalina, o lápis-lazíli e a turquesa.


Métodos de Purificação dos Cristais

  • Água Purificadora: Um dos métodos de limpeza mais efetivos consiste em submergir os cristais num recipiente mantendo-os debaixo da torneira para que a água se renove de forma constante. A água deve ser preferencialmente fria, visto que a quente dilata a estrutura do cristal tornando-o mais frágil. Alguns gemoterapeutas aconselham a manter os cristais durante dois dias em água proveniente de correntes de montanha, fontes ou poços naturais, tal como água da chuva. Na sua falta, podemos potenciar a capacidade purificadora da água da torneira se, enquanto lavamos o nosso cristal, visualizarmos uma cascata de água cristalina. Do mesmo modo, para limpar e recarregar a energia dos cristais recomenda-se submergi-los na água do mar, e se tal não fot possível, em água da torneira saturada com sal marinho numa proporção de aproximadamente 250 gramas de sal por cada litro de água.

  • O poder do Sol: Após lavar cuidadosamente o cristal com água, e antes de voltar a utilizá-lo, podemos renovar o seu campo energético deixando-o exposto durante o dia aos raios de Sol, a grande força regeneradora de vida. Nascidos nas obscuras entranhas da terra, os cristais são, contudo, seres que têm uma grande capacidade de armazenar energia, captar e refletir a luz. A fonte natural de luz e energia mais poderosa que existe são as radiações solares, pois nelas está contido todo o espectro luminoso, incluindo os raios ultravioleta e infravermelhos. Um procedimento para a ação purificadora da água e a ação energética do Sol consiste em submergir o cristal num recipiente com água e expô-lo ao mesmo tempo à ação do Sol durante cerca de duas horas. Passado este tempo, o cristal deve secar-se ao Sol, dando-lhe a volta de quinze em quinze minutos para que os raios solares iluminem de igual forma todas as suas faces.

  • A benéfica luz da Lua: Também podemos limpar e recarregar de energia um cristal expondo-o à luz da Lua, cuja claridade é muito mais etérea, delicada e sutil, do que a do Sol. A luz da Lua é especialmente benéfica para purificar e recarregar os cristais destinados ao relaxamento, à meditação e à busca espiritual.

  • O poder da Terra Mâe: A energia telúrica da Terra Mãe tem um grande efeito regenerador sobre os cristais já que é o berço em que nasceram. Enterrados no seu seio, e graças às importantes forças magnéticas que emanam dela, os cristais perdem a sua carga negativa e recuperam as suas propriedades primordiais. É apenas necessário enterrá-los num local seguro e deixá-los repousar durante três dias e três noites. O melhor será cobri-los com terra macia ou com areia ligeiramente umedecida.

  • O fumo que limpa: As tribos indígenas americanas queimavam incenso, eucalipto, salva, cedro e outras plantas, madeiras ou resinas aromáticas para eliminar as energias negativas do ambiente. Este método purificador serve também para limpar os nossos cristais, basta segurá-los entre os dedos e expô-los ao fumo aromático, fazendo-os girar enquanto nos concentramos no desejo de lhes transmitir a essência pura do fumo.

  • O som do sino: Dada a sua posição suspensa, o sino está situado simbolicamente nesse espaço místico da comunicação entre o céu e a terra; as suas ondas sonoras têm um significado esóterico de purificação e criação. Ao expor o nosso cristal às vibrações do som de um sino, podemos descontaminar o seu campo de energia negativa e recarregá-lo positivamente. Tão eficaz como este som é o som de um diapasão, ou de uma conca ou um gongo tibetano.

  • A essência das flores de Bach: Este remédio floral também é muito útil na limpeza e purificação de cristais. Basta juntar umas gotas desta essência na água do recipiente onde iremos submergir as pedras. É muito aconselhável deixar o recipiente com os cristais exposto à luz da Lua durante três noites.

  • O poder vivificador das Geodes: As geodes não têm propriamente virtudes curativas, mas o seu uso é muito recomendável para repor a energia perdida pelos cristais que tenham sido usados numa aplicação terapêutica. Os cristais devem colocar-se dentro da cavidade da geode, onde deverão permabecer por dois ou três dias. As geodes de maior poder são as de quartzo hialino e as ametistas. Pode-se acentuar a ação regeneradora da geode expondo-a simultaneamente ao Sol e rodeando-a com quatro cristais de quartzo hialino ou de ametistas de uma dó ponta: a base de cada cristal deve estar orientada oara um dos quatro pontos cardeais e todas as pontas deverão ser dirigidas para a geodo.

Como conservar um Cristal

Os cristais mais pessoais e os destinados a práticas terapêuticas cujo objetivo é abrir, fortalecer e harmonizar os chakras, ou ainda criar campos de energia que nos favoreçam o relaxamento e a meditação, devem ser preservados de qualquer emissão ambiental contaminadora depois de serem limpos e recarregados. Para isso, é aconselhável guardá-los em caixas de materiais naturais isolantes (madeira, pedra ou cerâmica), ou em bolsas de tecido de fibras naturais (seda, algodão, linho, etc.) que não gerem correntes eletrostáticas nocivas".

Fonte deste artigo: Sabedoria_gnóstica (geocities)


Sobre a terapia dos cristais (Cristaloterapia)  (Cristais e pedras)

A cristaloterapia consiste no uso da energia contida nos cristais e pedras que contêm finalidades específicas. Algumas dessas finalidades são:

*Cura - física, mental ou espiritual
*Energização - pode ser feita em pessoas ou ambientes
*Reequilíbrio - pode ser feita em pessoas ou ambientes, e restabelecer o equilíbrio.

Como o método de uso é variado, a cristaloterapia tem a sua origem provável nos primórdios dos tempos, tendo-se dados de povos como egípcios, hindus, índios, monges tibetanos, cristãos, que já faziam uso dessa técnica.

O tempo de cada tratamento varia de acordo com o paciente e respectivas condições individuais e é determinado normalmente de acordo com a avaliação inicial do terapeuta.

Em resumo, trata-se de um tratamento indolor, no qual o paciente beneficia da energia dessas pedras e de todos efeitos que elas trazem.


Conceitos Técnicos

Mineral é um corpo homogêneo, formado de um elemento ou composto químico resultante de processos inorgânicos. Possui composição química definida, arranjo atômico interno ordenado e é encontrado naturalmente na crosta terrestre. Geralmente apresenta-se como um sólido, com exceção da água e do mercúrio. Ex.: quartzo, mica, berilo etc.

Rochas são agregados naturais de um ou mais minerais, incluindo o vidro vulcânico. Ex.: basalto, granito, ardósia etc.

Mineralóide ou substância amorfa é qualquer sólido ou líquido que não possui arranjo atômico interno ordenado, podendo ser de origem orgânica ou inorgânica, ocorrendo naturalmente na crosta terrestre. Alguns são considerados rochas. Ex.: vidro vulcânico (
obsidiana), âmbar, pérola, carvão.

Escórias formam-se a partir de resíduos industriais, como usinas siderúrgicas, de cana-de-açúcar, de vidro etc.

Cristal é um sólido homogêneo, que possui arranjo atômico interno tridimensional, refletido externamente, apresentando formas geométricas. São suas propriedades:

Transparência
Subdivididos em transparente, onde consegue-se ver através, como o diamante, cristal de quartzo; translúcido, onde somente a luz atravessa, como a comalina; Opaco, ou seja, nem a luz o atravessa. Ex.: amazonita.

Dureza
Visto que, quanto mais fortes são as ligações atômicas mais duro é o mineral, então pode-se dizer que a dureza de um mineral é a possibilidade dele ser riscado por outro material. A dureza é organizada em uma escala de ordem crescente conhecida por Escala de dureza de
Mohs.

Limpeza e Energização
Existem vários métodos de limpeza, aplicáveis a quase todos as pedras. veja alguns exemplos:

*Água corrente (cachoeira, mar, rio)
*Incenso
*
Drusa
*Chuva
*Água & Sal grosso

São os métodos de energização:
*Exposição ao Sol, Lua, tempestades
*Incenso
*Terra
*Drusa
*Energização com as mãos
*Locais específicos para este fim

Lembrando que é muito importante fazer a limpeza e energização ao adquirir o cristal para fins terapêuticos. A limpeza, aliás, deve ser periódica.

Programação e forma
Um cristal pode ser programado para funções específicas, a fim de auxiliar em certas atividades como cristais de uso pessoal, para cura, energização de ambientes, uso com plantas, banhos, meditação, transmissão etc.

A programação é um processo mental e energético, não existindo apenas um método especifico.

Dependendo do formato, os cristais possuem funções pré-determinadas, sendo mais fácil programa-los. O formato, porém não é determinante em sua programação. São alguns exemplos de programações:

*Geradores
*Biterminados
*Drusas
*Tabulares
*Arquivistas
*Arco-íris
*Canalizadores
*Transmissores
*Dow
*Janela
*Elo do tempo
*Ísis
*Celestial
*Laser
*Catedral (biblioteca)
*Templo dévico
*Gêmeos tântricos
*Guardião da terra
*Fantasma

Nota: tanto os formatos quanto a sua programação referem-se aos cristais de quartzo. A medição energética consiste em captar ou detectar campo de energia num determinado local ou pessoa. Para isto é usado um pêndulo.

Medição energética
Nas pessoas detecta-se problemas de saúde de ordem física, mental ou espiritual, bloqueios energéticos, desequilíbrio nos chacras ou campo áurico. Esse tipo de medição é normalmente feito na palma da mão através de um pêndulo, sendo a variação e intensidade determinantes para o conhecimento do grau da enfermidade.

Determinam também quais cristais a serem usados. Cada palma da mão possui um ponto específico para medição. Obviamente, a medição realiza-se antes de cada tratamento ou energização.

Campo áurico e chacras
O campo áurico é um campo eletromagnético situado ao redor do corpo humano. Na energização e aplicação dos cristais, usamos muito este campo afim de estabelecer seu reequilíbrio, ou eliminar resquícios de energias residuais resultantes das aplicações anteriores.

Os chacras são pontos energéticos situados no corpo. Normalmente é necessário que sejam "alinhados" ou reequilibrados, e que estejam "abertos" ou energizados antes de iniciar o tratamento.

São sete os
Chacras:

*Coronário
*Frontal
*Laríngeo
*Cardíaco
*Plexo Solar
*Sexual
*Básico

Em uma sessão trabalha-se quase todos os chacras, com várias pedras diferentes,dependendo da necessidade do paciente. O único chacra que trabalhamos com menor regularidade em uma sessão é o coronário e, quando o fazemos, usa-se poucos cristais. Com chacras, usa-se cristais como quartzo, diamante, selenita, florita, diamante herkimer, ametista.

Principais pedras
Quando iniciante, as principais pedras usadas são as da família do quartzo (azul, verde, rosa, ametista, citrino) e da turmalina (rosa, verde, negra). Veja abaixo algumas definições básicas sobre elas, e outras pedras, na tabela a seguir:

*Citrino: estimulante mental, imunodeficiência leve
*Ametista: problemas espirituais, desintoxicação
*Quartzo fumê: limpeza áurica, centralização no plano físico
*Turmalina negra: bloqueio de energias negativas
*Turmalina verde: cura em geral, reequilíbrio da saúde
*Turmalina rosa: amor próprio, autoconfiança
*Turmalina azul: acalma a mente, consciência elevada, problemas genéticos
*Água marinha: clareza de visão, inspiração espiritual
*Turquesa: clareza na comunicação, coragem
*Amazonita: expressão pessoal, sistema nervoso
*Sodalina: sabedoria, sistema linfático
*Hematita: rim, sistema digestivo

Estas são apenas definições básicas, podendo alterar-se de acordo com a necessidade e habilidade (prática) do terapeuta.

Disposição das pedras
Pode-se basear o posicionamento das pedras em tres formas distintas:

*De acordo com os chacras
*De acordo com os pontos onde situam-se os problemas (enfermidades)
*Através de triangulações (campos energéticos)

Nota: pode-se usar mais de uma forma de disposição ou mesmo as três ao mesmo tempo.

Cristais de quartzo
Existem métodos de trabalho que usam somente cristais de quartzo em suas sessões. Individualmente usa-se um cristal de cura (programado exclusivamente para essa função), e campos energéticos ao redor do corpo ou sobre o corpo do paciente. Recomenda-se que iniciantes utilizem estes métodos em locais de muita calma e harmonia e de preferência, tanto paciente como terapeuta, com os chacras em equilíbrio.

Actuação
Quando dispomos as pedras em cima do paciente para que seu efeito seja aplicado inúmeras vezes, temos que ativa-los. Os métodos mais comuns são: bastões, reiki, cristais de quartzo etc. No uso de cristais de quartzo, a ativação não se faz necessária.

Além de ativar as pedras, aconselha-se ativar as triangulações, principalmente aquelas sobre o paciente, lembrando que os chacras são ativados da mesma forma.

Triangulações ou campos de energia
As triangulações ou campos de energia são formas avançadas de uso de pedras e cristais para alcançarmos objetivos específicos. Damos o nome de triangulação porque suas formas são ou baseiam-se em triângulos, podendo-se usar triângulos entrelaçados e outras formas geométricas neles baseados. Nas triangulações pode-se usar várias pedras ou somente um tipo, podendo ser também cristais.

Quando ativas, as pedras trabalham em conjunto, ampliando o seu potencial, e muitas vezes gerando uma energia diferente entre si. É um dos métodos mais poderosos, e um dos mais aplicados e difundidos na cristaloterapia.




Leituras indicadas

*ABC dos Cristais e O caminho das pedras – António Ducan – Nórdica
*As Propriedades Curativas dos Cristais e das Pedras Preciosas – Katrina Raphaell – Pensamento
*Terapia pelo Cristal – Brett Bravo – Pensamento
*A Luz dos Cristais para a Cura e a Meditação – Phillips Burbutes – Pensamento
*O Poder dos Cristais – Ingrid Erjoutz – Best Jeller
*Uso Mágico das Pedras Preciosas – W. B. Crow – Hemus

Artigo escrito por: Demerson Venditti

Fonte do artigo: Semente Sagrada (blogspot)

fonte: http://cbatista.bloguepessoal.com/r942/Cristais-e-pedras/
Comments