Peçonha e pessoas

As pessoas justificam aceitação de más condutas de outras devido ao kharma, débitos de família ou obrigações de cuidados.

Isso é um grande equívoco, pois quando aceitamos que outra pessoa nos agrida, ou a outros, física ou verbalmente, estamos aceitando que o veneno destilado por essa pessoa continue a se propagar e ferir todos ao redor.

Existem muitos tipos de venenos na espiritualidade, alguns deles são a raiva, o orgulho, falta de humildade, malcriação, enfim, venenos que são usados para danificar o coração, o corpo físico e energético, a vida das pessoas. Tem gente venenosa por natureza, todos conhecem esse ditado, e pessoas assim, que vivem falando e somatizando energias deletérias, densas e viscosas. Essas pessoas quando são aceitas como se isso fosse pouco importante, porque dizem que são assim mesmo, todos que aceitam estão ignorando suas responsabilidades, deveres enquanto pessoas de bem.

Aceitar grosseria, mal trato, resmungo e destrato, é como permitir que uma cobra ou escorpião lhe pique uma e outra vez, sem fazer nada para resolver o problema.

Existe um conto budista que demonstra a natureza búdica, onde o monge uma e outra vez salva o escorpião de ser afogado no rio, mas para isso leva várias picadas, dizendo que sua natureza é a compaixão, e a do escorpião picar e se defender. Esse ditado esta certo, mas não deve ser usado para justificar atos humanos, pois para um ser humano sua natureza não é picar, não tem ferrão ou veneno físico, é consciente, onde Deus lhe deu a razão, emoção e inteligência espiritual para evoluir e ascensionar.

Algumas pessoas quando atingem certa idade se tornam rudes, arrogantes e venenosas, e as famílias permitem que assim o sejam justificando que a idade fez isso com elas. Puro engano, a idade não torna a pessoa diferente, e sim sua conduta, seus hábitos, o que se manifesta é apenas aquilo que já está presente dentro da pessoa, na sua intimidade. Bota para fora apenas o que já é, e isso não deve ser justificativa para ser ignorada e aceita como normal.

Aceitar um ser humano nesse estado é alimentar a alma dessa pessoa com veneno, todos saem feridos, por melhores que sejam.

Entendo que muitas vezes devido a doenças a pessoa acaba se tornando menos tolerante as coisas da vida, ignora Deus, ignora ajuda, ignora até mesmo as pessoas que a amam, mas isso não lhes dá o direito de serem grossas e sem educação mínima.

Se tem algo que devemos observar por toda vida é sobre como ajudar e pedir ajuda.

Quem quer ajuda, precisa primeiro aceitar a ajuda, sem condições, sem termos, simplesmente aceitar e aprender a agradecer ou invés de ficar envenenando a vida dos outros. Se a pessoa só deseja a ajuda que quer sem mudar seus hábitos, e outras pessoas a ajudam da mesma forma, por caridade e compaixão, estão apenas permitindo que esse ciclo vicioso continue, até um desfecho sempre doloroso. É preciso muitas vezes virar as costas até que a pessoa possa refletir sobre seus atos, e aprender a abaixar a cabeça para receber ajuda. Muitas vezes é no silêncio que ela percebe o quão tola está sendo, e a partir dai começa a mudança.

Seres compassivos não devem ser submissos, mas sim retos, justos e transformadores, devem ser faróis para que a luz se manifeste e afaste as trevas da ignorância e do medo.

Quer ajuda de verdade? Aprenda primeiro a orar, parar de reclamar da vida e das pessoas ao redor que apenas querem ajudar, abaixar o "topete" e receber com gratidão aquilo que está sendo ofertado, sem veneno, sem rudez, sem falsa humildade.

Não existe débito entre pais e filhos, filhos e pais, familiares, amigos, colegas... isso é tolo, apenas argumentos muitas vezes religiosos de prender as pessoas a maus hábitos, solidificando sentimentos destrutivos a longo prazo, porque quando uma pessoa ajuda a outra por obrigação, sendo ofendida, mal tratada e denegrida, alimenta dentro do coração por melhor que seja sua intenção, um sentimento de mágoa, ansiedade, inquietação e angústia. Claro que devemos ajudar as pessoas, principalmente as mais próximas, mas é preciso limites quando a pessoa a ser ajudada tem consciência dos seus atos e atitudes, e mesmo assim teima em não mudar.

Saber dizer não é essencial a todas as pessoas.
Saber a hora de dizer "só ajudo quando você parar de reclamar" é essencial também.
Criar um manto de compaixão e amor no coração, antes de ajudar qualquer pessoa, é mais que necessário.

Nesse mundo atual onde dor e sofrimento se transformaram em professores junto ao Sr Tempo, as pessoas muitas vezes esquecem que esse é apenas um dos caminhos, mas não o melhor deles.

Mudanças de hábitos e postura, correção do que se come, pensa e fala, isso gera o ciclo de ação e reação, que chamam de kharma.

O kharma pode ser mudado ao longo da vida, mas o dharma de todos é algo da alma, e deve ser cumprido.

Dentro do dharma é preciso antes de tudo, transparência, retidão, virtudes. Dentro das virtudes, aceitar o que está errado justificando compaixão como desculpa para não corrigir o que se deve, não condiz com os verdadeiros buscadores do caminho espiritual.

Se a pessoa não mudar seus hábitos, por mais ajuda que receba, em algum momento irá se afogar no próprio veneno.

Quer ajudar alguém? Primeiro aprenda a dizer não, com retidão. Aprenda a impor-se com virtudes de um guerreiro. Aprenda a dizer eu te amo, te perdoo e agradeço, como um verdadeiro aprendiz das hostes de luz.

Um verdadeiro guerreiro espiritual deve aprender primeiro a se curar, para então poder ajudar os outros.

E se sua cura interna for ajudando as pessoas, o faça com retidão e nunca abaixando a cabeça para pessoas ou seres que apenas estão envenenando tudo ao redor. Antes, lhe corte as presas até que reaprenda que a natureza humana não é trevas ou peçonha, mas sim amor e fraternidade.

E que todos vivam em paz, como verdadeiros irmãos cósmicos, vindos dos confins onde a poeira das estrelas trouxe as benção da evolução.



Paz e Luz!
Terry
Comments