Sobre práticas de yoga

Interessante verificar o quanto as pessoas atualmente se iludem com o yoga. Acham que yoga se resume as posturas e práticas, pensam que professor de yoga é um ser "bonzinho" que deve ficar o tempo todo dizendo palavras belas e "flutuando" sobre misticidade.

Nunca, em tempo algum, um verdadeiro yogue se portou como um boneco do dharma. Nunca, em tempo algum, o yogue se portou como um boneco do kharma. Nunca, em tempo algum, o yogue se portou como um boneco da ilusão do mundo humano. Se assim foi, ainda não era um yogue. Por mais que se tenha o dharma e o kharma, há aqueles que são virtuosos e se colocam como humildes, e aqueles que são bonecos, e viram fantoche do ego inferior.

O professor de yoga que se porta somente como um professor, e não como um yogue, deixa de ser humilde, pois quando se coloca acima daqueles que estão sob seu aprendizado, já deixou o papel de yogue e passou a virar o boneco das ilusões e apegos mundanos. Um bom professor sabe que não existe aluno, mas sim uma fraternidade que troca aprendizados, sabe que ao mesmo tempo que ensina também aprende, pois verifica que a energia do universo está o tempo todo ensinando, portanto não julga, não ofende ou se coloca como o dono da verdade.

A yoga não foi trazida a Terra para iludir as pessoas, não foi colocada para ser um mero exercício físico, muito menos uma forma mística de criar falsas bondades sem um coração puro.

Já estive com muitos yogues, tanto físicos (em corpo físico), como aqueles que já transcenderam o corpo material, e em todos os grandes mestres pude "ver" algo incomum... nenhum se postou como superior, nem sentou em um "trono mental de poder". Nenhum proferiu palavras cheias de açúcar somente para iludir quem os escutava, todos tinham uma harmonia e sabedoria que eram seus exemplos de conduta e pureza interna. A harmonia e o perfume do coração ensina muito mais do que as próprias práticas. Um dos maiores yogues chamado Mahavatar Babaji, yogue imortal, era tão humilde que até mesmo para ensinar sobre humildade se colocou lavando os pés de monges para servir de exemplo aqueles que acham que um yogue é alguém que se senta em um trono celestial para reinar sobre os discípulos. Babaji ajuda milhões de seres sem nunca se colocar como um grande yogue (mesmo o sendo), retira almas sofredoras de lugares inimagináveis a humanidade, simplesmente porque ele próprio é o amor, ele é pura bondade silenciosa e compassiva. Ensina muitas vezes somente com o olhar, com o coração e a mente de quem realmente vive o caminho do yoga, ou melhor, de quem é o caminho do yoga. São nesses exemplos que devemos nos espelhar continuamente.

O próprio Shiva quando trouxe os conhecimentos do yoga até a Terra, declarou (Gheranda Samhita):

"2:1. Existem oito milhões e quatrocentos mil ásana descritas por Shiva. Existem tantos ásana como criaturas vivas no universo.

2:2. De todos eles, oitenta quatro são os melhores, e entre estes, trinta e dois consideram-se úteis para os que habitam este mundo."

Ou seja, para a Terra nessa era atual, existem 84 posturas que realmente serão aproveitadas pelo corpo humano, e ainda sim, somente 32 destacadas, já que a yoga não se restringe somente a humanidade da Terra, é pratica em muitos outros planetas e também em mundos extrafísicos. Isso deixa claro o porque das oito milhões e quatrocentos mil ásana descritas, somente algumas são próprias para a Terra, enfim, cada planeta e cada dimensão usa aquilo que é próprio a era e aos corpos que ali residem temporariamente.

É muita ilusão acreditar que palavras bonitas criam professores bonitos. Muitas pessoas tendem a confundir gentileza com bondade. A gentileza é uma forma sutil de compaixão, e a bondade uma forma sutil de pureza. Mas ambas não podem ser mensuradas em palavras, é preciso que sejam vistas nos olhos e partam do coração. Ambas não são fatores emocionais ou sentimentais, a intenção pura que vem do coração adota muitas formas, principalmente quando é para ensinar as pessoas. Rigidez e firmeza de conduta, virtude serena e humildade, são os bens comuns a quem procura ensinar sobre yoga. Não que estas pessoas sejam "perfeitas e puras", não mesmo, mas que pelo menos adotem uma postura pertinente aquilo que se colocaram a ensinar, e tenham humildade para admitir seus erros e partilhar as vivências como aprendizado mútuo.

Não há necessidade de palavras rudes e grosseiras, muito menos de palavras doces como açúcar, que apesar de saborosas só fazem mal a quem consume.

A yoga não é algo para nutrir a ilusão das pessoas, muito pelo contrário, yoga é um meio de sair da ilusão.

Yogananda é um exemplo claro de yogue, ensinava aqui na Terra enquanto encarnado em corpo físico, e continua ensinando fora do corpo. Apesar de muito amável e compassivo, sempre foi firme e direto, não iludia seus discípulos, nem se colocava em um pedestal de "Mestre". Os títulos de Parahamansa ou Guru, eram apenas para retratar suas realizações, mas para quem o conheceu ou que o conhece fora do corpo, sabe que é um humilde e amoroso Mestre que de forma clara e pura, ensina sobre o vasto amor divino.

Poderia mencionar centenas de grandes Mestres, outros tantos exemplos, mas o que gostaria mesmo é de deixar minha humilde opinião sobre isso, porque vejo o quanto as pessoas as vezes vem conversar comigo sobre esse assunto, e o quanto ainda estão se colocando aos pés da ilusão sob o manto de falsos professores (mestres), que só estão interessados em ganhar dinheiro e fama com base na yoga.

Para estes deixo bem claro, o dharma e o kharma estão sob as leis do universo, e para cada um que se coloca como superior, julgando e tratando os ensinamentos puros como algo banal, ou apenas como uma forma de ganhar dinheiro e fama, a queridos, lembrem-se que Shiva ao mesmo tempo que é "transformador", é destruidor, e há de se fazer as Leis Maiores através dos Guardiões que vigiam atentamente o Dharma Maior.

Ninguém foge as Leis de Deus, e onde há impurezas, que a humildade seja a guia maior para lapidar o coração tão amargurado e duro de quem busca esse caminho de maneira ilusória, ou ainda pior, vendendo essa ilusão aos demais. Ainda mais grave que iludir a si mesmo, é iludir um grupo de alunos. A estes que se atrevem, que busquem refletir sobre seus atos e comecem a limpar a poeira dos seus corações. A questão não são os ensinamentos, a perícia nas ásanas e kriyas, os textos sagrados, e todas as variáveis do caminho, mas o quanto tudo isso parte do coração e o quanto parte do ego. Ensinar tudo corretamente mas dentro do coração conduzir com o ego, não é tão grave, pois pelo menos sequem algum princípio, mesmo que seja somente técnico. Mas há aqueles que inventam e iludem distorcendo o que mal compreenderam para si, e a estes a cobrança sobre si perante Deus não falha. Não que Deus irá julgar, será a própria alma da pessoa que há de verificar a lama que criou para si mesma.

Tornou-se muito simples ser professor de yoga ou espiritualista hoje em dia. Já vi várias pessoas fazendo cursos, ganhando diplomas e montando escolas, saindo por ai falando e ensinando sobre yoga. É muito simples iludir as pessoas indo para a Índia dizendo que foi aluno ou aluna de dezenas de mestres. Mas são poucos que realmente sentam na calma, estudam os conhecimentos e realmente se tornam humildes de coração, para que mesmo sem uma só postura, o coração fale mais alto que suas línguas venenosas.

Não é preciso ir longe para aprender yoga, muito menos a outros países. Yoga está dentro.

Pode-se aprende Ásanas, Pranayamas, Kriyas, Mudras, Pratyáhara, Dhyána, entre outras tantas formas internas, mas nada disso torna uma pessoa melhor do que as outras se não houver humildade e compaixão.

Centenas de vezes melhor uma pessoa que não conhece sequer uma só postura ou prática de yoga, mas que é verdadeira e humilde, que um "expert" que apenas cospe veneno sobre os outros e sobre si mesmo. Ou ainda aqueles "ultra místicos", que se dizem donos do conhecimento, realizados no dharma, que se postam como mestres, professores que sabem "tudo", mas que não passam de peritos em exercícios, verdadeiros acrobatas e filósofos que decoram centenas de livros e técnicas, mas que não tem no coração a pureza que distingue um yogue de um mero ator.

Não escrevi isso como uma forma de julgamento, até porque não tenho conhecimento profundo no assunto e nem me atrevo a dizer que nada do que escrevi seja uma verdade mais do que meu coração atualmente sente. Escrevo aquilo que meu coração manda, e escrevo porque percebo o quanto as pessoas estão cada dia mais se iludindo e buscando meios mirabolantes de yoga, deixando para trás a coisa mais importante ensinada pelos Mestres Ascensos, que é o amor ao próximo, o respeito, humildade, compaixão e fraternidade.

De que adianta decorar centenas de livros, conhecer dezenas de posturas ou práticas, se nada disso aquietar a mente e despertar o coração.

Cristo Jesus resumiu claramente todos os livros e conhecimentos quando disse:

"Faça aos outros o que você gostaria que eles fizessem a você."
"Amar ao próximo como a ti mesmo..."

Se as pessoas aprendessem e vivenciassem somente essas duas coisas tão simples, já seriam verdadeiros yogues.

Todas as práticas de yoga são métodos metafísicos para abrir canais do corpo, para despertar a energia e ajudar na liberação do kharma, até que realmente se faça a conexão e o samadhi aconteça. Mas tudo isso sem amor, sem compaixão, humildade e fraternidade, são apenas brinquedos que irão despertar um falso poder, dando cada vez mais armas para que o ego se torne dono e regente daquele que se desventura na ilusão da ganância, soberba, vaidade, e outros atributos de quem só busca o poder e não o amor.

"1:6. De acordo com os atos, bons ou maus, produzem-se os corpos de todos os seres vivos, e os corpos dão origem às ações (o kharma que conduz ao renascimento). Desta maneira, o ciclo repete-se como o contínuo girar da roda de um moinho de água." Gheranda Samhita

Traduzindo:

"Com o bom sou bom, mas mesmo com quem não é bom sou bom, pois boa é a virtude." Lao-Tsé

Desculpem o texto um tanto longo, mas fez-se necessário e há de chegar a quem é de interesse e procura uma mudança interna sem tanta ilusão e marketing.

Não sou dono da verdade, e provavelmente alguns que lerem isso irão julgar dizendo que o que escrevo vai contra a conduta de um yogue... que estou sendo vaidoso e grosseiro, entendo, compreendo e sei o quanto as vezes ler algo assim pode ferir algumas pessoas. Peço perdão as estas que se sintam ofendidas, mas muitas vezes o que nos fere é justamente o espinho necessário para nos movimentarmos. De todo coração e com todo respeito e humildade, que Deus e os Mestres iluminem cada um que ler isso, porque mesmo de forma mais rude na forma como escrevo, é com afeto e amor que apenas peço que as pessoas parem de tanta mesquinhes e de tanto julgamento umas com as outras. É triste quando recebo um mensagem ou alguém vem falar comigo sobre yoga chorando, porque foram maltratadas por professores, ou ainda julgadas e criticadas. Para que isso? Não existe ninguém melhor do que ninguém, todos os que possuem um corpo aqui na Terra tem algo para aprender, e até aqueles fora do corpo estão também aprendendo, porque todo o universo é uma grande escola de Deus. Se alguém sabe um pouco mais que outra pessoa, que possa partilhar esse conhecimento com harmonia e bondade, e não como uma forma de superioridade ou ainda impondo isso as pessoas. O conhecimento sempre precisa de muita meditação até que se torne sabedoria. E quando se torna sabedoria, pouco há de se dizer dos conhecimentos.

Aos praticantes que buscam verdadeiramente aprender yoga, procurem professores que falem pouco mas que seus atos demonstrem as virtudes do coração.

Quem fala ou é "bonzinho" demais o tempo todo, ou seja, quem mistifica e mostra somente o que está em livros e acrobacias mirabolantes, e ainda só contam suas próprias experiências dando mais ênfase a suas "viagens" do que na conduta interna, dificilmente irão além da ilusão daquilo que criaram para si próprios. Existe uma linha muito tênue quando se começa a percorrer o caminho espiritual, e é muito fácil se tornar arrogante ou vaidoso principalmente quando se é professor ou mentor de alguém aqui na Terra, porque muitos dos alunos enxergam seu professor ou professora como alguém que pode lhes ajudar a minimizar o sofrimento, mas o que os alunos não veem, é que muitos desses professores e professoras, são os que mais estão sofrendo, só que alguns não sabem admitir isso e criam um mundo imaginário para vender um falsa imagem de quem são.

Sempre que conhecerem um professor ou praticante de yoga, verifiquem a partir do coração o que sentem a respeito dessa pessoa, não se prendam a aparências ou a palavras bonitas, meditem a respeito dessa pessoa e tentem sentir com o coração se realmente existe uma identificação interna, uma ressonância. Compreendam que todo professor é também um aluno, e por mais que saiba sobre algum assunto, ou que faça perfeitamente uma ásana ou pranayama, sem que haja amor no coração, serão apenas práticas que se aperfeiçoam com o tempo, o que todos podem alcançar com um pouco de estudo e disciplina.

Mas algo muito mais importante só se abre com a vivencia, com as práticas silenciosas e com a humildade, que é a pureza do coração, o se tornar como um criança.

Como Cristo disse, "O reino dos céus pertence aos puros de coração". Ou seja, quando a pessoa se purifica da maldade, vaidade, arrogância... enfim, o que todos nós precisamos lapidar, até que nos tornemos como crianças novamente, para então as "portas" começam a se abrir.

Como diz o ditado, muitas vezes são nos menores frascos que encontramos os melhores perfumes.

E o mais importante de tudo, vamos orar e vigiar, meditar no silêncio e procurar essa realização dentro de nós mesmos, no coração e na mente. Unam as posturas e práticas, aprendam o quanto puderem, mas sempre tenham dentro de si mesmos que sem humildade e amor, sem sentar e meditar no silêncio, não existe yoga, por mais nome ou renome que tenha o professor ou instituição que venham a conhecer, a yoga se constrói somente de dentro para fora, e pode ser praticada em qualquer lugar, seja no meio do mato ou em um templo, no canto do seu quarto ou em uma simples cabana na montanha, quem manda é a energia e o amor do coração de quem ensina e de quem se coloca a aprender.

Existem muitos métodos de yoga, kundalini, hatha, kriya, entre tantos outros, assim como muitos caminhos espirituais; Taoismo, Budismo, Tantra, Cristianismo, Espiritualismo, enfim, muitos caminhos, mas todos são apenas ferramentas trazidas pela espiritualidade para que finalmente nos purifiquemos do medo, da vaidade, do apego, ódio, e tudo aquilo que nos prende a roda de samsara.

Em todos estes e tantos outros caminhos, o mais importante é verificarmos que tudo isso são meios que nos levam a Deus, para vivenciarmos e nos tornamos, Amor.

Paz e Luz!
Terry
Comments