Cachoeira

Eu estava olhando com os olhos fechados,
uma vasta faixa de brilhos de cores variadas,
pareciam compreender todos os meus pensamentos.

Mirando meus olhos para cima e para baixo,
para um lado e para o outro,
nesse campo onde não existem limites.

Olho e vejo desenhar de dentro para fora,
aqueles pontos vão transcorrendo as águas imaginárias,
transformando-se em tudo aquilo que a tela cósmica gera aos
pensamentos.

Agora claro como um dia de primavera,
vejo uma cachoeira em forma de escadas,
muitos banham-se nela sem saber de onde vem.

Alguns estão lá escorregando,
brincando como crianças,
indo e vindo em suas águas translúcidas.

Outras estão a escalar suas margens rochosas,
um caminho difícil para muitos,
onde poucos estão dispostos a percorrer.

Aqueles que escorregam,
riem o tempo todo,
e sempre fazem o mesmo caminho.

Eles brincam e riem,
escorregando para lá e para cá,
sem se importar de onde vem e para onde vai a água.

Aqueles outros que escalam as pedras,
vêem se se perguntam se não seria mais fácil escorregar junto aos
outros,
mas eles são curiosos e persistentes,
querem saber de onde vem a água tão clara e reluzente,
querem saber até onde ela vai,
e decidem escalar ainda mais,
mesmo sabendo que o caminho é tortuoso,
e que muitas vezes irão machucar-se,
e até mesmo,
chorar vendo a si mesmos refletidos nas poças d´água pelo caminho.

O caminho é percorrido,
alguns irão até o fim,
por muito tempo escalando,
vendo no caminho varias outras cachoeiras,
varias outras pessoas escorregando a brincando,
e quanto mais sobem,
ainda mais íngreme e difícil,
mas alguns chegarão até onde a água brota,
e então tudo será claro...

...lá de cima olham tudo em baixo,
conseguem ver todas as cachoeiras,
todas as pessoas brincando e escorregando,
e percebem que a água brota do nada,
ela simplesmente estava ali,
nascendo da pedra abaixo dos seus pés,
e bem onde a água nascia da pedra,
um circulo guardava um pequeno papiro sob uma pedra triangular,
e o papiro dizia:

-Olhando de baixo para cima,
podemos ver um caminho longo,
olhando de cima para baixo,
podemos ver um caminho longo,
se olhar reto para o horizonte,
o caminho não será menor,
se olhar para trás,
longo também será,
mas para aqueles que buscam a verdade,
para aqueles que não se importam com a distancia,
para aqueles que não desistem do caminho,
então as portas serão abertas,
e todo o caminho será curto diante de tão imensa alegria.
As pessoas que riem e brincam o tempo todo na água,
também estão no caminho,
mas escolhem brincar na água naquele momento,
as pessoas mais acima também estão no caminho,
mas brincam na água talvez para refrescar-se,
quando olhamos tudo isso vem a questão do porque a água brota da pedra,
mas a questão não é o porque a água nasce da pedra,
mas porque a pedra está aqui.
Muitas questão são feitas pela mente,
mas a mente sem sempre pode responder as questões,
as vezes é necessário olhar para dentro,
onde o caminho não tem tamanho,
inicio ou fim,
escutando o coração,
sentindo a respiração,
e então transformando a si próprio,
no caminho.
Algumas questões da vida não estão em respostas ou perguntas,
mas sim na intenção sincera de olhar para dentro,
não procurando em outro lugar mais um desejo,
mas sim deixando escorrer pela água todo o desejo,
restando por dentro apenas o contentamento de estar desperto,
onde nada além de você existe.
Nesse imenso campo dentro de você,
tudo aquilo que existe toma forma,
todo o conhecimento é entendido,
e quando tudo estiver simples nesse caminho,
quando não houver dois desejos,
quando você sentir a você mesmo,
como parte do caminho,
será lançado ao Todo,
você será parte do Todo,
e o Todo,
parte de você...

...nesse momento,
encontraram o Satori.

Namastê,
Terry

Comments