Despedida, estou indo


Estou aqui para dar minha despedida, acho que finalmente chegamos a um ponto em que as coisas mudam, onde temos que mudar com o TAO...

Partir para novos horizontes, sejam eles por aqui ou lá, o importante é que sempre, sempre mesmo, aqui ou do outro lado, algo existe que nos une, o Amor cósmico de Deus... 

Me despeço finalmente,
deixo para trás todo horizonte de tristezas,
no mais profundo abismo dos medos mentais,
levito e transcendo o ontem e o amanhã,
na mente, um nada tão grande quanto tudo,
na não existência do corpo,
a existência de tudo que existe.

Quando penso apenas penso,
quando existo apenas existo,
quando paro e nada mais resta,
nem mesmo o mais fraterno pensamento,
tudo se recolhe e expande por dentro,
o coração para de bater e volta a pulsar,
naquilo que se sente,
e manifesta-se no TAO. 

Me despeço dos antigos costumes,
das antigas frases criadas pela vivencia desta jornada,
pequenas manias de uma criança atirando graça,
muitas vezes, sem graça...

Me despeço dos versos e das poesias, 
das coisas que sempre saíram pela boca,
mas nem sempre agradaram ao EGO,
até mesmo de quem mais se ama...

Me despeço de tudo e de todos que nunca conheci em vida,
e até mesmo daqueles que conheço e amo com profundo carinho.


Me despeço de toda emoção que ainda resta, 
sobrepondo todos os desejos, 
com profundo sentimento de amor, 
este que de tão profundo,
muda o próprio sentido da existência,
transmutando tudo em luz, 
pura paz e harmonia!

A compaixão é gerada na luz,
aquela que se manifesta quando vemos um só coração,
quando nos fundimos ao outro,
como casais, amigos, irmãos, família...,
tudo existe quando o amor é visto pelo coração,
mas não quando se tenta entender em palavras.


Muitas vezes as palavras do dia a dia,
mesmo na pura verdade do coração,
nem sempre são ditas com total exatidão,
e então,
aquele que não vê o amor com o coração,
pode julgar a palavra pela emoção,
despencando como uma pedra bruta,
até o mais profundo dos poços da solidão,
despertando a tristeza no silêncio,
e não o entendimento pela certeza,
vivida pela real percepção,
do puro amor em Deus...

Quando alguém lhe disser,
eu te amo,
não duvide disso,
nem tente avaliar esse sentimento,
não pense em nada,
não julgue ou interprete,
não haja com emoção,
apenas olhe para dentro da pessoa,
olhe para dentro de Si,
e veja o amor,
intua o amor,
seja o amor.

Quando encontra o amor em vida, 
olhamos nossas atitudes, nossas memórias,
passamos a refletir sobre nossos pensamentos,
em como fazer alguém feliz,
seja de forma física, mental, espiritual,
a compaixão aflora,
tentamos mesmo com pequenas palavras, 
estas ditas as vezes sem pensar,
agrada-la, faze-la feliz,
porque a amamos,
porque vemos o amor aflorar em nós,
sentimos o quanto é bom amar,
e sentir-se amado...

Mas o amor é algo que não pode ser "tentado",
as vezes quando tentamos demonstrar o amor com atos,
palavras ou ações,
falhamos... 

Porque tentar mostrar algo, para que o amor continue existindo?

Quando tentamos demonstrar o amor em palavras ou ações,
estas devem resumir as verdades de Deus,
seja aqui ou lá,
o amor é apenas Um,
e existe independente da forma como tente demonstrar...
é como se diz,
na simplicidade encontra-se a melhor forma de Ser,
e ser é apenas um estado do Ser.

Seja aqui ou lá,
o amor é um só,
Eu sou apenas Um,
em meio a vasta Mente de Deus...

Para aqueles que leram toda essa despedida, sabem que não me despeço da casa corporal onde vivo atualmente, mas despeço-me de tudo aquilo que desagrada ao ser compassivo, aos pensamentos, emoções, ações ou inações que possam machucar seja o menor ou maior dos seres, de tudo aquilo que não seja a verdade pura e simples, presente no amor.

Mas reflita se quiser... caso eu realmente deixasse meu corpo fisico hoje, qual a diferença? O que isso importa ou lhe remete no coração, no seu mais intimo? Faça uma introspecção pensando em você mesmo, na sua familia, amigos... O fato é que todos iremos desencarnar em algum momento, mas em essência somos imortais, vestindo "roupas" em planos, planetas, dimensões... Somos seres Imortais na Mente e no Coração de Deus.

Ontem a noite estava refletindo sobre varias coisas da vida e da morte, sobre as pessoas, as formas de interpretação, as emoções, sobre o tempo, o espaço... enfim, sobre a existência do Ser no Ser, e percebi que não só a palavra cria uma ação ou um sentimento, nem mesmo a melhor forma de dizer é dizer (imprimir o verbo), ou tentar interpretar, apenas deixar fluir... quando não se cria nada, nada pode se mover em ação ou reação, mas ao mesmo tempo quando não se cria nada, nada pode mudar, e a mudança do Ser esta na própria forma do Ser... até que finalmente o Ser veja a Si mesmo como Um, seja olhando o Ser em outro Ser, ou em Si mesmo.

Posso, humildemente dizer que encontro-me em amor, pois vejo tanto nas pessoas que amo, nas pessoas da família, nas que conheço e desconheço em vida, um grande amor que bate incessante no candelabro luminoso do coração, na tocha que acende e arde, queima, flui como fogo brando de um Ser ao outro Ser, o Amor. 

Sou grato a Deus e aos Mestres por Tudo, peço perdão e desculpas a todos se fiz ou disse algo que possa ter ferido, pois nunca, e isso digo de todo coração, seja para um amigo, família..., nunca disse algo na intenção de ferir ou criar julgamento...


Esse amor que este grande Mestre comenta abaixo, é o mesmo amor que tentei expressar na Despedida, esse amor que pode ser encontrado na mais profunda Meditação (Samadhi), na companhia de uma pessoa amada, no amor incondicional de um Mestre de Luz, nos amigos de luz, e em Si mesmo, na profunda e completa união do Amor.


Com a ajuda deste amor desenvolvido, o homem tem a felicidade de conseguir a Sublime companhia de personagens divinos e é salvo para sempre. Sem este amor, ele não pode viver de modo natural, nem pode viver na companhia de uma pessoa conveniente à seu próprio bem-estar; torna-se muitas vezes excitado pelas matérias estranhas introduzidas em seu sistema através dos equívocos que o impedem de compreender a orientação da Natureza, e, como conseqüência, ele sofre no corpo e na mente. Uma vez que não pode, de modo algum, encontrar a paz, sua vida se torna um fardo. Por conseguinte, o cultivo deste amor, o dom celestial, é o principal requisito para se obter a salvação; sem ele, é impossível para o homem avançar um passo neste sentido.

Ver Apocalipse
2:2-4. “Conheço as tuas obras, teu trabalho e tua paciência, e sei que não podes suportar os maus; puseste à prova os que se dão como apóstolos, sem o serem, e os achaste mentirosos; e tens perseverança, e sofreste pelo meu nome, e não desanimaste. Mas tenho contra ti que arrefeceste o teu primeiro amor.”

Jnanavatar Swami Sri Yukteswar Giri


*Escrevi este texto acima a algum tempo atras, considerando que estamos em 2013, acredito que foi escrito por mim a mais ou menos 10 anos...


Paz e Luz!
Terry
Comments