Ponta de luz

A sim, que luz suave escorre pelos céus,
abraça sem queimar,
ama sem esperar ser amada,
uma luz que flui serena,
entra pelos olhos e flui pelas lágrimas.

Linda e colorida,
não mistura suas cores,
cada uma é uma chama do amor,
canta sua própria canção,
vibra sua própria frequência,
mesmo lá nos montes distantes,
como aurora aquieta o mais confuso coração.

Há natureza que vive,
seres de luz cantam entre os bosques,
dos menores aos maiores a mesma luz,
aquela que vive antes da criação,
aquela que vive depois da criação,
a mesma luz e som,
o mesmo agora continuo,
existi e sempre existiu,
mesmo na mutabilidade dos tempos,
além do tempo é pura e absoluta,
é a mesma que sempre nos nutre com sabedoria,
cria corpos e desfaz corpos.

Sim, quanto amor flui pela luz,
a mesma que existe em todos nós,
alimentando todos os universos,
multi versos, omniversos...
quanta luz, quando amor incondicional.

Viva na luz e vibre amor,
essa é a verdade absoluta.


Namastê,
Terry
Comments