Silêncio é atenção



A mente precisa de silêncio para ser atenta,
o fato da existência ser complexa,
está na simplicidade da própria Vida.

Quando existe caos nos pensamentos,
armazenamos apegos, desejos, e todo tido tipo de memória tempestiva,
gerando uma serie de enfermidades psicológicas, ou mentais,
que for vezes se transformam em problemas físicos.

A confusão está no pensar, e não no pensador.
Quando pensa, usa apenas conhecimento armazenado,
onde seu pensamento e você, são parte de um pensar maior,
canalizado em forma de ondas e luz,
na mente do TAO.

Se neste momento todos os seres do mundo fechassem "os olhos" ao mesmo tempo,
ele deixaria de existir da forma como o conhece,
pois não haveria co-criador para sustentar a criação.

Quando chamamos a ilusão de matéria,

estamos dando nomes, sentido ao que já foi criado,
mas não estamos criando algo diferente,
apenas constatando um pensamento elaborado de forma densa ou sutil.

Somos co-criadores da nossa própria realidade,
e para tanto, devemos assumir esse papel de acordo com leis maiores,
que não devem ser confundidas com obrigações ou deveres,
mas sim leis harmônicas que regem todas as formas criadas,
sejam estas co-criadoras ou não.

Cada realidade ou forma de manifestação da Fonte, Deus,

existe por si mesma, independente do pensamento humano.

Quando na Terra ou qualquer realidade material criamos algo,
antes da manifestação desse objeto ou "forma criada",
é gerado um processo mental dentro do co-criador,
que pelas memórias, ou conhecimento acumulado,
e pela intenção de uso deste pensamento,
gera algo para uso próprio ou de outros seres.

A confusão acontece a partir deste pensamento gerado,
criado pelo interesse da mente coletiva ou de um fragmento separado,
que sempre irá entrar em conflito,
já que qualquer criação parte de um interesse de uso,
e não da intenção correta sobre a forma criada,
que só acontece quando sai do pensamento transitório,
buscando na natureza das leis harmônicas,
a forma correta de co-criar.

Da mesma forma como um violão só é agradável após afinado,
assim devem ser as formas co-criadas pelas mentes fragmentadas,
que quando regidas pelo Eu Natural,
beneficiam a todos os seres,
na harmonia do TAO.

O ser humano enquanto consciente somente do externo,
vê pensamentos criados pela transformação da natureza,
que molda em formas aquilo que a imaginação criou,
ou mesmo aquilo que recebeu por inspiração do que chamam espiritual.

A espiritualidade não inspira a destruição da própria natureza,
nem estrutura formas desarmônicas, acumulativas ou desformes.

A espiritualidade, a luz, não criou bombas para destruição da natureza,
nem aconselhou a nenhuma ser a matar e gerar sofrimento a outro ser.
Isso é trabalho das mentes pensantes,
que usam sua forma criativa contra a própria natureza da criação,
gerando desordem e trazendo o caos.

Como co-criadores, somos responsáveis diretamente pela realidade em que vivemos,

um fragmento de uma mente maior.

Não somos, enquanto humanos, indivíduos,
essa palavra não existe fora do fluxo de pensamentos mundano.

Somos todos, enquanto seres dentro de um corpo,

fragmentos, e não indivíduos,
somos fragmentos de corpos maiores,
partes pequenas de um corpo maior.

A confusão acontece na mente enquanto pensa como indivíduo,
não existe realidade separada "na mente" da Fonte.

Quando dizemos que somos parte de Deus, ou filhos de Deus,
seria tolo dizer que somos indivíduos e que existimos separados uns dos outros,
no mínimo tolice dizer que você e eu respiramos um ar diferente,
enquanto encarnados na Terra.

Seja eu onde estou e um amigo do outro lado do globo,

o ar apesar das mudanças climáticas, será o mesmo respirado por ambos,
o mesmo ar que irá sair de minhas narinas,
irá entrar na sua em determinado momento,
mesmo transmutado e misturado,
somos parte da mesma respiração divina.

Poderia dizer que um russo é completamente diferente de um brasileiro,
mas isso seria tolice também.

O que muda são apenas as manifestação externas,
o carro, a casa, as memórias acumuladas,
a família, o DNA, as vivências...
Mas ainda sim a existência é a mesma,
não importando qual a origem desta alma,
nem o local de nascença,
fora do jogo mental,
ambos são fragmentos da Fonte,
até certo ponto, são co-criadores da sua realidade,
vivenciando cenários diferentes da natureza celestial.

A mente coletiva da humanidade gera um tempo existencial,
quando todos os seres fecham os olhos ao mesmo tempo,
quem sustenta a criação?

A sustentação é dada pela intenção,
que quando harmônica,
sem pensamentos, silenciosa,
só ama a própria natureza do TAO.

A confusão se dá na mente pensante,
que projeta desejos comuns a quase todos os seres,
pobre ou ricos, bastardos ou abastados,
dinheiro, sexo, diversão, oração... são todos desejos,
pensamentos limitados pelo EGO.

Enquanto gera pensamentos conflituosos com o interesse natural do Ser,
gira lentamente pela roda da vida,
mantendo o apego a tuas próprias criações,
sejam estas manifestas por ti mesmo,
ou por teus irmãos "presos" a mente coletiva dos desejos furtivos.

Perceba o quanto é simples a natureza do TAO,
e pela sua própria simplicidade,
torna o ser humano algo tão complexo,
que se perde na própria mente consciente,
gerando tantas formas pensamentos,
que mal percebem a diferença entre o Eu Natural e o Eu Pensamento.

Enquanto o Eu Natural mantém sua existência fora da mente,
o Eu Pensamento, EGO, mantém a todo momento um fluxo de desejos,
um interesse por resolver problemas, criados por outro pensador,
um ciclo de geração desarmônica,
pela falta da conexão com a Fonte,
pela falta de maturidade na própria investigação interna.

Perde-se muito tempo criando pensamentos,

mas não se investiga internamente o que são os pensamentos,
algo que para a humanidade é intangível,
para a espiritualidade o fluxo de pensamentos e tão denso como uma pedra com lodo.

Quem pensa, e o pensamento, são partes do mesmo pensador,

quem está pensando e o pensamento, fazem parte da mesma energia co-criativa.

Compreenda a realidade que transcende a ambos, o Eu Natural.

Quem pensa é algo pensado.
O pensamento é algo gerado pelo acumulo de memórias.
As memórias são apenas reflexo dos conhecimentos e vivências.

O pensamento sempre será limitado pela mente "egóica".
Não adianta orar, rezar, pedir ajuda a todos os santos e santas,
enquanto o pensamento for tua manifestação da verdade,
ou seja, enquanto viver tua vida nos pensamentos,
continua limitando tua própria existência.

Perceba um ponto interessante,
mesmo enquanto reza e ora a Deus,
está normalmente pedindo ou agradecendo por algo,
mas que algo?

Algo que foi gerado pelo desejo,

criado por você mesmo como co-criador,
passando a gerar ou criar algo insubstancial fora da matéria,
que só irá existir enquanto durar a intenção ou necessidade,
que você ou muitos, intencionaram sobre o objeto.

Nessa cadeia de interesses

o universo se expande dualmente,
pois dois seres não são indivíduos,
mas partes fragmentadas do Eu Natural, Deus,
que por um motivo ou outro,
acabaram se ocultando na sua própria natureza criativa.

Agradeça e peça a Deus que a vontade Dele seja feita em ti,

agradeça e peça para que você desperte para a realidade divina,
agradeça e peça para que tudo o que fizer, esteja de acordo com a vontade Dele,
ai sim, passa a trabalhar, ou melhor, se harmonizar com a Lei do Amor.

Toda a existência, física ou não,

permanece fora do silêncio vibratório.

Todo lado, positivo ou negativo, yin ou yang,
são extremos da espiral celestial,
partes da mutação no corpo do TAO,
que coexistem na mente fragmentada de todo ser.

Quando salta além da mente coletiva,

passando a compreender o Eu Natural,
torna-se parte do corpo maior que És,
retorna a Fonte Que Tudo É.
Mesmo manifestando-se como fragmento,
neste estado sublime,
se torna a própria Natureza do Amor.

A natureza da mente de Deus é silêncio absoluto,
amor absoluto,
natureza absoluta.

Quando na natureza você transmuta os elementos,
gerando peças mentais ou pensamentos criativos,
está manifestando qualidades ou atributos do criador,
montando peças, formas transitórias.

Como tudo é transitório, uma mutação constante de causa e efeito,

e como dentro da tua mente enquanto ser fragmentado existem ambos os aspectos,
positivo e negativo, yin e yang,
como co-criador você pode criar e manifestar tua "vontade",
mas como gerador de causa e efeito,
se não respeita as leis naturais da harmonia,
prende a ti mesmo na criação da mente coletiva,
até que compreenda e saia da prisão mental criada pelo teu próprio fruto,
pela tua verdade inconstante na mente natural.

Quando tua mente silencia,

quando passa a investigar internamente quem você é,
descobrindo que os pensamentos são fluxos do pensador,
e que o pensador não existe dentro dos pensamentos,
quebrando o ciclo de causa e efeito,
de desejos e apegos,
passa a co-criar a partir da mente natural.

Nesse estado de silêncio,
o próprio pensador desaparece,
este sumindo em si mesmo,
se torna todas as coisas,
passa a Ser a Natureza plena do Eu.

Não procurando por causas,

nem se atendo aos efeitos,
desapegando do conhecimento adquirido,
absorvendo as memórias dentro do coração imaculado,
fundindo pensador e pensar,
deixando cair os véus cinzentos,
torna-se então,
a fogueira que antes era chama.

Enquanto o fragmento achar que é individuo,
dificilmente o oceano se torna completo.

A chuva cai,
escorre pela grama,
chega ao rio,
que desagua no mar.

O pensamento cai,

escorre pela mente,
chega ao pensador,
que desagua no TAO.

Silencie tua mente buscando o ponto de harmonia em ti,
dando atenção plena ao espaço vazio entre cada pensamento,
funda todo teu ser dentro do coração.

Não se preocupe com tempo,

não se atenha a nenhuma certeza,
apenas vivencie a natureza inata do teu Ser,
que como co-criador,
é parte do Criador, Deus.

Amando-se no mais profundo silêncio,
tua atenção explode em luz,
vibrando naturalmente onde as palavras não podem chegar...


Na Paz e Luz!
Terry

Comments