Cuidado com vacinas!

Prefiro não expor minhas próprias opiniões a esse respeito, porém para os que me conhecem pessoalmente sabem que sou contra qualquer tipo de vacina, mesmo sabendo que muitas TEORICAMENTE ajudam as pessoas na cura de enfermidades, sei também que por trás existe uma causa para a doença, e com essa causa poucos se preocupam ou tentam abordar. De  onde vem a doença? quem ou o que a causa? Essa é a pergunta...

Segue artigo muito bom abaixo.

___

Cuidado com as vacinas

Após estudar 50 páginas A4 em inglês sobre pesquisas e publicações a respeito das vacinas, resolvi escrever um artigo sobre o assunto.
Está surgindo no mundo uma grande dúvida e preocupação a respeito da segurança das vacinas e do efeito e eficácia das mesmas. A dúvida maior tomou forma com a constatação do aumento assustador do autismo. Nos EUA, antes de 1990, a doença foi diagnosticada em uma a cada 2.500 crianças e, hoje, uma em cada 166 é autista. Outras fontes falam de um aumento de 1000% desde 1990, o que equivale a uma em cada 200 crianças.

As vacinas suspeitas contêm Thimerosol, um conservante a base de mercúrio que afeta o sistema nervoso central. Milhões de crianças vinham sendo expostos a estes preservativos durante vários anos, através das vacinas infantis obrigatórias. Com o grande aumento do número de vacinas, de 3 em 1940 (com autismo de 1 em cada 10.000 nascidos), para 22 em 2000, a dose de mercúrio chegou até 400 vezes acima da dose permitida para bebês e crianças. Assim milhares de famílias com autistas se uniram num dos maiores processos oletivos dos EUA, obrigando as indústrias químicas a produzirem vacinas sem Thimerosol. Dessa forma os fabricantes estão enviando milhões de doses de vacinas contendo Thimerosol para países da América Latina onde não existe impedimento ao uso.

Além do perigo das vacinas, existem provas de que muitas vacinas, principalmente as contra gripes, simplesmente não funcionam. Esta
constatação caiu como uma bomba após uma pesquisa publicada no jornal “The Atlantic” em outubro de 2009. Os pesquisadores Shannon Browlee e Jeanne Lenzer vasculharam dados dos últimos 8 anos sobre as causas de morte de pessoas vacinadas e não vacinadas contra gripe e comprovaram que as pesquisas do passado, que constam com uma vantagem de 50% ou mais a favor da vacinação, foram feitas de forma incorreta e enganosa (sistema Cohart). Além disso, mostraram que nos anos em que faltaram vacinas (1978-1997-2004) a
mortalidade foi bem menor do que nos anos quando toda população recebeu as vacinações.
Além das vacinas, as indústrias farmacêuticas fabricam remédios antivírus como Tamiflu e Relenza. O governo dos EUA tem um estoque de U$ 3 bilhões desses medicamentos. A resistência do vírus contra estes remédios está aumentando rapidamente, desvalorizando o produto.

Com todas essas decepções, as indústrias farmacêuticas (Big Pharma) usam a tática de espalhar medo. Cada dia podemos ler previsões desastrosas da gripe suína, mesmo aqui no Brasil. Esta tática é chamada de “spread the fear, then sell the treatment”, “espalhe o medo e venda o tratamento”. O movimento internacional contra a Big Pharma acredita na força do corpo de se manter com saúde desde que seja alimentado com excelência nutricional, quer dizer, uma dieta baseada em verduras, frutas, leguminosas e carboidratos integrais. Nessa dieta, carnes, leite, ovos entram como condimento, não como alimento. Para eles, os remédios e vacinas entram esporadicamente.

A seguir alguns endereços eletrônicos da internet consultados para escrever o artigo:

www.theatlantic.com/doc/200911/brownlee-h1n1
www.naturalnews.com
<http://www.aboaterra.com.br/artigos/www.naturalnews.com>  digitar vaccines
www.autistas.org/
www.autistas.org/mercurio.html
Comments