Artigos Interessantes‎ > ‎Diversos‎ > ‎

Parasitas e câncer

"PARA QUEM SE INTERESSA POR CÂNCER E TEM O DESCONFIÔMETRO LIGADO

Pesquisando sobre saúde e alimentação desde 1977, sempre achei que o tema “câncer” estava dentro de uma caixa-preta. A saúde é simples, pensava eu. Saúde é a capacidade natural de refazer células e tecidos. Dormir bem, acordar de bom humor, comer com apetite e digerir a comida, apreciar as coisas boas da vida e ter coragem para enfrentar as crises, tudo isso é normal. Como explicar que de repente a pessoa comece a desenvolver células e tecidos anormais?

Pergunta sem resposta durante anos, e aí minha amiga Bia Paes Leme me colocou na pista do Dr. Barcellos. Médico carioca, já nos seus 80 anos, clinicava pouco e só atendia se fosse câncer. Porque tinha confiança em seu tratamento, já que os tumores desapareciam. “E os pacientes também”, resmungava ele. “Começam a fazer a dieta, vou tratando, procurando descobrir os parasitas que a pessoa tem, a pessoa melhora progressivamente, acha que está boa e some.”

Para ele, as lesões iniciais do câncer eram provocadas principalmente por isso que você leu acima: parasitas. Vermes que se agarram com unhas e garras, protozoários que corroem mucosas, povinho besta com tanto direito à vida quanto nós mesmos que parasitamos a terra e somos parasitados tanto por eles quanto pelas grandes empresas que vivem às custas de nós e de nossos medos. Comida industrializada, bebida e remédios: preciso dizer mais?

Curiosamente, uma das ferramentas que o Dr. Barcellos utilizava com a maior confiança deixou de ser confiável por volta dos anos 1970: os exames de fezes que pedia aos pacientes só davam negativo. Impossível, pensava ele, tinha que ter alguma coisa. De onde vinha sua convicção? Do exame de sangue. Eosinofilia presente, para ele quase sempre significava presença de parasitas. Eosinófilos fazem parte das defesas do corpo e uma de suas especialidades é comer a cutícula dos vermes grandes. Eosinofilia e anemia, mais claro ainda – toda anemia sem causa óbvia obriga à investigação das parasitoses. Estudioso dos livrões em letra miúda, ele tinha consciência o tempo todo de que o inimigo não era o tumor, era o bicho. Vencida a parasitose crônica, o corpo poderia se refazer.

Também as alergias ele atribuía ao mesmo processo. Reações inflamatórias provocadas pela presença de parasitas e suas toxinas deixavam a pessoa propensa a reações ditas alérgicas. Tudo isso já publiquei há tempos, em livros e artigos, e não vou me estender mais aqui. (A dieta está em www.correcotia.com/cancer).

Desde então, e isso já tem 20 anos, venho observando o crescimento absurdo dos diagnósticos de câncer, sempre me perguntando se seriam verdadeiros. Porque em ciência é preciso fazer a contraprova. Ou seja: para provar que uma coisa é assim, é preciso provar também que ela não poderia ser de outro jeito. Em medicina essa prova se chama diagnóstico diferencial. E o diagnóstico diferencial de câncer, ora vejam, são as parasitoses.

Grandes cientistas laureados falam nisso. E acrescentam: “Mas infelizmente, isso quase nunca é feito”. Um deles: Dr. Nobuaki Akao, parasitologista japonês famoso que foi diretor da faculdade de parasitologia da Universidade de Tóquio, autor da foto chocante da larva saindo do saio da moça que está em www.correcotia.com/vermes e no Almanaque de Bichos que dão em Gente.

Assunto horrível, não?

Discordo. Horrível é ver um ente querido ou uma criança sofrendo na químio ou morrendo por falta de diagnóstico diferencial. Por falta de eficácia nos exames de fezes, que atualmente poderiam ser feitos em segundos por microscópios computadorizados que nada procurariam além de meros ovos, cistos e larvas. Por falta de uma busca adequada nos exames de sangue. Por falta de profissionais de saúde conscientes quanto às duas causas mais importantes de doenças e desconfortos: parasitas e toxinas.

Enquanto isso, a indústria prospera. Alimentos, bebidas, guloseimas, poluentes em geral, falta de dinheiro, stress generalizado – tudo isso deixa as pessoas mais temerosas de adoecer, prontas para aceitar qualquer diagnóstico.

Felizmente também prospera outra consciência, e um exemplo disso é a série documental que está em https://go.thetruthaboutcancer.com/… . Em inglês. Acho que não fala tanto em parasitas quanto poderia, mas denuncia uma pá de fatos e aponta outros caminhos. A quem interessar possa."

fonte: Sonia Hirsch
Comments