Yoga - Chakras‎ > ‎Bioenergia‎ > ‎

Explicação sobre chakras

Chakra é a denominação sânscrita dada aos centros de força existentes nos corpos espirituais do homem; também são chamados de lótus ou rodas. 

Quando eles estão inativos assemelham-se a rodas; quando despertam, eles tomam a aparência de uma flor de lótus aberta, irradiante, colorida pela freqüência da energia das pétalas, estes centros de energia são a ligação de nossos quatro corpos inferiores, quando colocados, todos os setes grandes chakras em harmonia total, poderemos dar seqüência ao trabalho de segmento ou evolução em direção a Luz. Ricardo Chioro
Os Chakras seguem certas linhas de canais de transmissão, chamados de "meridianos" na medicina chinesa e "nadis" em sânscrito. Quando uma energia negativa é percebida em um dos Chakras, é possível, através de técnicas apropriadas, retirar conscientemente esta energia negativa, harmonizando novamente os nossos centros energéticos, até chegar o dia, em que nenhuma energia negativa poderá se introduzir nos centros, devido ao equilíbrio e harmonia de nossos chakras.

Possuímos em nossos corpos, sete grandes Chakras, centros de energia, os Chakras mais desenvolvidos nos seres humanos comuns, são os de Base, Alma e Plexo Solar e precisam ser reorganizados, reorientados, e trazidos de um estado de positividade para negatividade. 

Os Chakras do Coração, Garganta, Terceiro Olho e Coroa, mais desenvolvido nos estudantes da GFB, precisam ser despertados e trazidos de um estado de negatividade para o de positividade. 

Junto aos nossos Chakras, encontramos as famosas Glândulas Endócrinas, escritas em ordem encontradas no corpo humano, de baixo para cima, glândulas reprodutiva, pâncreas, supra-renais, timo, tireóide, pineal e pituitária, se quiser saber mais deste asunto, temos um bom  livro na Biblioteca Luz, o Livro As Glândulas Endócrinas de Max Heindel.

É importante informar, que o nome dos chakras, variam de grupos para grupos ou seitas ou religiões. Portanto, se o nome do chakra aqui encontrado, for diferente de vosso conhecimento ou se ouvir outro nome referencial, considere estas denominações normais, assim como a grafia chacra com c e não com k, adaptado a língua portuguesa brasileira.

Eis aqui, portanto, os chacras do modo como são descritos nos textos do Tantrismo.

1- O CHACRA MULADHARA: O mais baixo na hierarquia dos sete chacras maiores e dos dois menores, localiza-se na base da espinha, na região perineal. Nesse chacra a força da serpente, a Devi Kundalini, jaz adormecida. A Devi tem o brilho do raio e sua cauda esta enrolada três vezes e meio em torno de uma língua ( símbolo de Shiva ) de ouro derretido. O chacra Muladhara, com quatro pétalas de lótus, é presidido pela Devi Dakini, de quatro braços e olhos vermelhos brilhantes, " portadora da revelação da inteligência sempre pura, e pelo Deva Brahma, senhor do mundo físico. Esse chacra pode ser chamado de chacra da experiência física. Está associado à terra e ao sentido do olfato. OBS.: DEVI = Deusa / DEVA= Deus

2 – O CHACRA SVADHISTHANA: Possuindo seis pétalas rubras de lótus, localiza-se debaixo do umbigo e na área acima dos órgãos genitais. É presidido pela Devi Rakini azul, colorida de lótus e de aspecto furioso, que carrega armas no braços erguidos, e pelo luminoso Deva Vishunu azul, que também tem quatro braços e é a energia do universo vital que tudo impregna. Como o chacra Muladhara, este se acha intimamente aliado a terra. Associa-se à água e ao sentido do paladar.

3 – O CHACRA MANIPURA: Tem dez pétalas de lótus da cor das nuvens de chuva pesada e localiza-se no plexo solar. É presidido pela Devi Lakini, de três faces, quatro braços e portadora do fogo, e por seu consorte o Deva Rudra, de cor vermelha, que possui também quatro braços, carrega o fogo e representa o mundo da mente. Embora Lakini coma carne e tenha atributos mais densos que os de uma vegetariana, este chacra é menos orientado para a terra do que os chacras Muladhara e Svadhisthana, e pode ser considerado mais como centro emocional. O chacra Manipura associa-se com o fogo e com o sentido da visão.

4 – O CHACRA ANAHATA: Este chacra, com doze pétalas vermelhas de lótus, localiza-se na região do coração. É presidido pela Devi Dakini, que possui três olhos, é feliz e benfazeja a todo mundo. O presidente Deva Isha é também senhor dos três primeiros chacras; compassivo, representa a revelação dos mistérios do tempo e do espaço. O chacra Anahata pode ser considerado um centro de consciência, e que é aqui que se pode ouvir o som que vem sem o embate de duas coisas uma na outra.

A. O CHACRA ANANDA – KANDA: Um dos dois chakras menores. Pequeno, localiza-se logo abaixo do chacra do coração (Anahata) e, muitas vezes, nem é citado. Apesar disso, existe e tem oito pétalas de lótus rosa – carmesim. Diz-se que esse chacra concede, às vezes, a satisfação de desejos antes mesmo que os formule a mente.

5 – O CHACRA VISSUDHA: Com dezesseis pétalas roxas e enfumaçadas de lótus, localiza-se na região da garganta. É presidido pela Devi Shakini e pelo Deva Sada-Shiva, cada um dos quais possui cinco rostos, três olhos e múltiplos braços. Enquanto Shakini se mostra vestida de um branco brilhante, e tem a forma da própria luz, Sada-Shiva é um andrógino, de corpo metade branco, representando Shiva, e metade ouro, representando Skakti. O chacra Vissudha, está ligado à purificação da inteligência e associa-se ao éter e ao sentido da audição.

B. O CHACRA LALANA: Este é outro chacra menor. Tem doze pétalas vermelhas de lótus e localiza-se acima do chacra da garganta ( Vissudha ), na raiz do céu da boca. Associa-se à fé, ao contentamento, à sensação de erro, ao domínio de si próprio, à raiva, à afeição, à pureza, ao alheamento, à agitação e ao apetite.

6 – O CHACRA AJNA: Este chacra tem duas pétalas brancas de lótus e localiza-se entre as sobrancelhas. Trata-se de um chacra muito pequeno e suas duas pétalas mal preenchem o espaço entre as sobrancelhas. É às  vezes, encarado como o terceiro olho místico – o olho interior ou mental. O chacra Ajna é presidido pela Devi Hakini e seu consorte, o Deva Paramashiva, ambos os quais ingressaram num estado de alegria produzido por tragos de ambrosia. Essas divindades possuem seis rostos, três olhos, braços múltiplos e brilham como o relâmpago. O chacra Ajna associa-se à mente e às faculdades mentais.

7 – O CHACRA SAHASRARA: A este dá-se o nome de Lótus das mil pétalas; em suas pétalas, todas as cores se combinam, e ele abrange todos os sons. Localiza-se na coroa da cabeça. Poder-se-ia dizer que é presidido por Brahma, pois aqui se encontram a Kundalini – Shakti, de modo que ele volta a unir-se a Brahma. O brilho das mil pétalas do lótus é a expressão da iluminação. O chacra Sahasrara, portanto, sinônimo de samadhi, é onde ocorre a explosão na consciência cósmica.


CHAKRAS ALFA E ÔMEGA

A maioria dos estudantes sabe da existência dos chakras. O que maioria não sabe, é que cada ser humano tem um total de quatorze chakras principais que existem em muitas dimensões simultaneamente - sete no corpo físico, sete fora do corpo - e mais os ''chakras'' Alfa e Ômega. A maioria dos estudantes, vê ou sente os chakras como fontes que vibram e irradiam energia, mas os chakras também têm uma estrutura interna de seis dimensões. Ricardo Chioro

Sob o domínio do jogo kármico, a estrutura dos sete chakras do corpo foi deliberadamente restrita para que eles pudessem apenas conduzir energia do plano astral. Eles foram ''bloqueados''. Com essa estrutura limitada, o chakra assumiu a aparência de dois cones. Um dos cones abre-se para a frente do corpo e o outro abre-se para trás. No lugar em que suas pontas se tocam no centro do corpo, ele é ''bloqueado'' para que permaneça dessa forma. Essa parte central mais estreita tende a ser obstruída por ''entulhos'' mentais e emocionais, que fazem com que os cones girem mais lentamente ou parem totalmente de girar. Isso faz com que o sistema dos meridianos fique desprovido de energia, podendo causar doença ou morte. Essa estrutura dos chakras pode fazer com que a energia circule apenas da frente para trás e de trás para a frente, sem conseguir captar as freqüências das dimensões superiores.

Quando o processo do Corpo de Luz é activado, os ''bloqueios'' nos pontos centrais são eliminados. A estrutura do chakra abre-se gradativamente a partir do centro até ele se tornar esférico. Isso faz com que o chakra irradie energia em todas as direcções e comece a transmitir freqüências das dimensões superiores. O corpo libera o material kármico acumulado e a forma esférica impede que ele volte a se acumular. As esferas continuam aumentando de tamanho até que todos os chakras se fundam em um único campo energético. Cada um dos chakras superiores (os chakras que estão fora do corpo) tem um padrão diferente de estrutura geométrica, que é apropriada para transmitir as freqüências específicas da dimensão ou Mente Suprema associada ao chakra. O oitavo e o décimo primeiro chakras contêm também vasos cristalinos de formato achatado, pelo quais passam as linhas axiotonais galácticas. Esses vasos são usados pela Mente Suprema para modular as influências astrais sobre o corpo físico da pessoa quando seus meridianos axiotonais forem reconectados. A Mente Suprema calibra novamente as linhas axiotonais e o sistema circulatório axial através do oitavo chakra. Por isso , esse chakra actua como ''chave de controle'' durante a mutação dos sistemas do corpo e a fusão dos corpos energéticos.

Até recentemente, os ''chakras' Alfa e Ômega estiveram atrofiados no corpo humano. Mesmo sendo centros energéticos, os ''chakras'' Alfa e Ômega têm características e funções totalmente diferentes dos outros chakras. Eles são reguladores altamente sensíveis das ondas eléctricas, magnéticas e gravitacionais, e também servem de âncora para a qualidade etérica da sétima dimensão.

O ''chakra'' Alfa situa-se de quinze a vinte centímetros acima e cinco centímetros à frente do centro da cabeça. Ele liga a pessoa ao corpo de Luz imortal na quinta dimensão. O ''chakra'' Ômega encontra-se cerca de vinte centímetros abaixo da parte inferior da coluna e liga a pessoa ao planeta como um holograma, bem como com toda a rede holográfica de encarnações. Diferentemente da matriz kármica de quatro dimensões, esse é um tipo de ligação inteiramente não - kármico. O oitavo chakra encontra-se de dezassete a vinte e três centímetros acima do centro da cabeça, acima do ''chakra'' Alfa. Há uma coluna de Luz, de cerca de dez centímetros de diâmetro, que desce do oitavo chakra através do centro do corpo e dos chakras corporificados, até cerca de vinte centímetros abaixo dos pés. Essa coluna abriga um túnel de Luz, de cerca de dois centímetros de diâmetro, que desce exactamente pelo centro, percorrendo toda a extensão da coluna.

Quando os ''chakras'' Alfa e Ômega estão abertos e funcionando devidamente, a pessoa sente algo conhecido como Ondas de Metraton percorrendo a coluna de Luz internamente. Essas ondas magnéticas, eléctricas e gravitacionais oscilam de um lado para o outro entre os ''chakras'' Alfa e Ômega que regulam a amplitude e a frequência das ondas. Essas ondas estimulam e mantêm o fluxo de energia vital prânica através do túnel menor de Luz. As Ondas de Metraton também ajudam a adaptar a mutação do corpo físico ao modelo preexistente do corpo de Luz imortal.

Quando os chakras do corpo restabelecem sua estrutura esférica, formam-se redes que conectam os chakras directamente aos pontos giratórios da superfície da pele, ligando-as directamente aos novos sistemas axiotonais e axiais. Ao ligar as redes com as linhas axiotonais, os chakras entram em contacto com redes de ressonância universal e com movimentos ondulatórios de níveis superiores de evolução. Isso possibilita que os chakras, bem como os corpos emocional, mental e espiritual fundam-se num único campo energético. Esse campo unificado recebe então os corpos da Mente Suprema e entra em sincronia com as ondas e pulsações do universo. Esse sistema totalmente novo transmite, então , essas ondas e pulsações, por meio dos pontos giratórios, para o sistema circulatório axial para regular as pulsações e fluxos dos fluidos do corpo.

Durante o jogo kármico, como a pessoa está separada do Espírito, vivendo em estado de limitação e alienada de seu corpo físico, isso normalmente significa que ela não se encontra em seu corpo. E se ela não está em seu corpo, não pode activar o chakra do coração.

Como ela não pode activar o chakra do coração, os chakras predominantes são o chakra da base, o chakra da alma e o chakra do plexo solar. Todas as atitudes da pessoa são um resultado do medo instintivo, do padrão kármico, do poder, da luxúria, da cobiça ou de puras relações de poder centradas no ego. A pessoa, portanto, não conseguirá ter nenhuma atitude mais elevada enquanto não estiver inteiramente no corpo. E, obviamente, os chakras superiores que estão fora do corpo não serão de maneira alguma activados.


A KUNDALINI E OS CHAKRAS

Kundalini, ou o "poder ígneo", é a grande força magnética, o princípio universal de vida que existe latente em toda matéria. Também chamada "fogo serpentino", é a vida que flui através dos centros vitais ou chacras.

Princípio ativo que tanto pode criar como destruir, seu despertar para uma atividade voluntária visa coordenar as diversas manifestações vitais num todo harmonioso. Ricardo Chioro

O que é a Kundalini? A palavra sânscrita tem sido traduzida de várias maneiras, em geral por aqueles que não têm uma concepção real, seja ela qual for, da função que é a sua marca. Supõe-se que a raiz da palavra seja o verbo kund, que significa "queimar". Este é o significado essencial, pois a kundalini é Fogo em seu sentido de abrasamento. Contudo, temos uma explicação adicional para a palavra no substantivo kunda, que significa orifício ou cavidade. Isso nos dá uma idéia do recipiente onde o Fogo arde. Mas há muito mais do que isso. Há também o substantivo kundala, que significa bobina espiral, anel. Temos aqui um noção do modo pelo qual o Fogo atua e se desenvolve. A palavra kundalini se originou de todos esses derivados, que atribuem uma feminilidade criativa ao Fogo, o Fogo Serpentino, como algumas vezes é chamado, o poder criativo feminino que está adormecido dentro de uma cavidade, dentro de um útero, despertando para o movimento rítmico da impetuosa subida e para a emissão de torrentes de Fogo. Ela é uma palavra que significa o aspecto feminino da força criativa da evolução, força esta que jaz adormecida, em sua potencialidade específica e muito particular, como que em posição fetal em um útero, na base da espinha dorsal humana.

O começo do despertar: Espera-se que o resultado seja um sutil despertar de uma consciência mais ampla, uma vaga sombra do espírito da consciência Cósmica. Desse modo, uma fragrância do que pode ser chamado de ozônio espiritual, se elevará no ar. Exultante, o discípulo estabelece contato do seu eu inferior com o seu Eu superior de maneira muito mais ampla do que já tenha feito antes dentro dos limites da sua atual encarnação. Ele alcança uma desobrigação, uma liberdade. Ele converte-se em um pássaro que finalmente começa a descobrir como usar as asas, batendo-as alvoroçadamente, embora ainda incapaz de levantar vôo. Neste afã de voar, ele começa a distinguir o real do irreal, o verdadeiro do falso, o útil do inútil, o belo do feio. Embora ele permaneça geralmente incapaz de fazer uso do discernimento assim despertado, ao menos conhece, experimenta e, mais cedo ou mais tarde, o conhecimento-experiência transforma-se numa atividade equilibrada. Quando isso começa a ocorrer, é chegada a hora de aparecerem os primeiros passos da kundalini, que finalmente, libertará para sempre no indivíduo o Fogo da vida e colocará sobre sua cabeça a Coroa de Flores do Reino eterno.

Os chacras servem de centros para a manifestação de várias emoções humanas, como o amor, o medo, a raiva e a alegria. Os chacras têm sido descritos como centros nervosos que governam os vários órgãos, ou como rodas giratórias, ou como vórtices que servem para ligar o corpo físico aos corpos etérico, astral, mental ou casual.

Os chacras também funcionam num contexto prático. Diz-se que o que experimentamos na vida depende, até certo ponto, do chacra com o qual estamos sintonizados, pois cada chacra é energizado por atributos emocionais, mentais, psíquicos e espirituais.

Os chacras podem ser encarados como centros de energia e, o que é muito mais, também podem representar acesso a outros mundos, a outras dimensões. O Tantrismo ( são nove chacras, sendo 2 não tão importantes ) descreve os chacras com flores de lótus e domínios habitados por Deuses e Deusas. Os quatro elementos – Terra, Água, Fogo e Ar – e os sons, os cheiros e as visões básicas estão associadas aos chacras, como os Cinco Sentidos.

Eis aqui, portanto, os chacras do modo como são descritos nos textos do Tantrismo.

1- O CHACRA MULADHARA: O mais baixo na hierarquia dos sete chacras maiores e dos dois menores, localiza-se na base da espinha, na região perineal. Nesse chacra a força da serpente, a Devi Kundalini, jaz adormecida. A Devi tem o brilho do raio e sua cauda esta enrolada três vezes e meio em torno de uma língua ( símbolo de Shiva ) de ouro derretido. O chacra Muladhara, com quatro pétalas de lótus, é presidido pela Devi Dakini, de quatro braços e olhos vermelhos brilhantes, " portadora da revelação da inteligência sempre pura, e pelo Deva Brahma, senhor do mundo físico. Esse chacra pode ser chamado de chacra da experiência física. Está associado à terra e ao sentido do olfato. OBS.: DEVI = Deusa / DEVA= Deus

2 – O CHACRA SVADHISTHANA: Possuindo seis pétalas rubras de lótus, localiza-se debaixo do umbigo e na área acima dos órgãos genitais. É presidido pela Devi Rakini azul, colorida de lótus e de aspecto furioso, que carrega armas no braços erguidos, e pelo luminoso Deva Vishunu azul, que também tem quatro braços e é a energia do universo vital que tudo impregna. Como o chacra Muladhara, este se acha intimamente aliado a terra. Associa-se à água e ao sentido do paladar.

3 – O CHACRA MANIPURA: Tem dez pétalas de lótus da cor das nuvens de chuva pesada e localiza-se no plexo solar. É presidido pela Devi Lakini, de três faces, quatro braços e portadora do fogo, e por seu consorte o Deva Rudra, de cor vermelha, que possui também quatro braços, carrega o fogo e representa o mundo da mente. Embora Lakini coma carne e tenha atributos mais densos que os de uma vegetariana, este chacra é menos orientado para a terra do que os chacras Muladhara e Svadhisthana, e pode ser considerado mais como centro emocional. O chacra Manipura associa-se com o fogo e com o sentido da visão.

4 – O CHACRA ANAHATA: Este chacra, com doze pétalas vermelhas de lótus, localiza-se na região do coração. É presidido pela Devi Dakini, que possui três olhos, é feliz e benfazeja a todo mundo. O presidente Deva Isha é também senhor dos três primeiros chacras; compassivo, representa a revelação dos mistérios do tempo e do espaço. O chacra Anahata pode ser considerado um centro de consciência, e que é aqui que se pode ouvir o som que vem sem o embate de duas coisas uma na outra.

A. O CHACRA ANANDA – KANDA: Um dos dois chakras menores. Pequeno, localiza-se logo abaixo do chacra do coração (Anahata) e, muitas vezes, nem é citado. Apesar disso, existe e tem oito pétalas de lótus rosa – carmesim. Diz-se que esse chacra concede, às vezes, a satisfação de desejos antes mesmo que os formule a mente.

5 – O CHACRA VISSUDHA: Com dezesseis pétalas roxas e enfumaçadas de lótus, localiza-se na região da garganta. É presidido pela Devi Shakini e pelo Deva Sada-Shiva, cada um dos quais possui cinco rostos, três olhos e múltiplos braços. Enquanto Shakini se mostra vestida de um branco brilhante, e tem a forma da própria luz, Sada-Shiva é um andrógino, de corpo metade branco, representando Shiva, e metade ouro, representando Skakti. O chacra Vissudha, está ligado à purificação da inteligência e associa-se ao éter e ao sentido da audição.

B. O CHACRA LALANA: Este é outro chacra menor. Tem doze pétalas vermelhas de lótus e localiza-se acima do chacra da garganta ( Vissudha ), na raiz do céu da boca. Associa-se à fé, ao contentamento, à sensação de erro, ao domínio de si próprio, à raiva, à afeição, à pureza, ao alheamento, à agitação e ao apetite.

6 – O CHACRA AJNA: Este chacra tem duas pétalas brancas de lótus e localiza-se entre as sobrancelhas. Trata-se de um chacra muito pequeno e suas duas pétalas mal preenchem o espaço entre as sobrancelhas. É às  vezes, encarado como o terceiro olho místico – o olho interior ou mental. O chacra Ajna é presidido pela Devi Hakini e seu consorte, o Deva Paramashiva, ambos os quais ingressaram num estado de alegria produzido por tragos de ambrosia. Essas divindades possuem seis rostos, três olhos, braços múltiplos e brilham como o relâmpago. O chacra Ajna associa-se à mente e às faculdades mentais.

7 – O CHACRA SAHASRARA: A este dá-se o nome de Lótus das mil pétalas; em suas pétalas, todas as cores se combinam, e ele abrange todos os sons. Localiza-se na coroa da cabeça. Poder-se-ia dizer que é presidido por Brahma, pois aqui se encontram a Kundalini – Shakti, de modo que ele volta a unir-se a Brahma. O brilho das mil pétalas do lótus é a expressão da iluminação. O chacra Sahasrara, portanto, sinônimo de samadhi, é onde ocorre a explosão na consciência cósmica.

Como já vimos, Kundalini ou o Fogo Serpentino é uma das forças emanantes do Sol, inteiramente independente e distinta de Fohat e de prâna, e que, no estado atual dos nossos conhecimentos, acreditamos incapaz de ser convertido em qualquer dessas duas energias.

Kundalini recebeu nomes diversos: o Fogo Serpentino, o Poder ígneo, a Mãe do Mundo.

Aparece ao clarividente, literalmente, como uma torrente de fogo líquido, percorrendo o corpo. Seu trajeto normal é uma espiral, semelhante às curvas de uma serpente; "Mãe do Mundo" é nome bastante apropriado, porque é por ela que podem ser vivificados nossos diversos veículos.

Pode-se ver um antigo símbolo da coluna vertebral e de Kundalini, no tirso, bastão com uma ponta cuniforme na extremidade. Na índia encontramos o mesmo símbolo: o bastão é aí substituído por um bambu, com sete nós, que naturalmente representam os sete chakras ou centros de força.

Em certos mistérios, em lugar do tirso se empregava um tubo de ferro que se supunha conter fogo.

A insígnia dos barbeiros, símbolo certamente muito antigo, com suas faixas em espiral e a protuberância terminal, tem a mesma significação, segundo dizem, pois o barbeiro moderno é o sucessor dos antigos cirurgiões, que praticavam também a alquimia, ciência ou trora mais espiritual do que material.

Kundalini existe em todos os planos que conhecemos e parece apresentar igualmente sete camadas ou graus de potência.

O corpo astral era, na origem, uma espécie de massa quase inerte, sem a mais vaga consciência, sem nenhuma capacidade definida de ação e sem conhecimento preciso do mundo ambiente. Sobreveio depois o despertar de Kundalini no plano astral, no chacra correspondente as da base da espinha dorsal. Esta força se encaminhou então para o segundo centro, o umbigo e o vitalizou, acordando, assim, no corpo astral, a faculdade de sentir, de ser impressionado por todas as espécies de influências, porém sem lhe dar ainda a compreensão precisa.

Kundalini passa daí ao terceiro centro (esplênico), ao quarto (cardíaco), ao quinto (garganta), ao sexto (entre os supercílios) e ao sétimo (no alto da cabeça), despertando em cada um as diferentes faculdades descritas nos capítulos precedentes.

O mecanismo que nos dá a consciência do que se passa no astral é interessante e merece ser bem compreendido pelos estudantes. No corpo físico, possuímos órgãos especiais, localizados, cada um, em região fixa e particular: órgãos da vista, do ouvido, etc. Mas no corpo astral reina uma disposição completamente diferente, pois não há necessidade de órgãos especializados para conseguir os resultados desejados.

A matéria do corpo astral está em constante movimento; as partículas deslizam e turbilhonam como as da água fervendo, e passam todas, sucessivamente, pelos centros de força. Por conseguinte, cada um! destes centros confere, às partículas do corpo astral, a faculdade de responder a determinada categoria .de vibrações, correspondentes ao que no mundo físico chamamos vibrações da luz, do som, do calor, etc.

Quando, pois, os centros astrais são vivificados e se põem a funcionar, conferem as diversas faculdades à matéria toda do corpo astral, de tal forma que este se torna capaz de exercer seus atributos em qualquer região. É por isto que o homem, aluando em seu corpo astral, pode ver tanto os objetos colocados à sua frente, como atrás, em cima e embaixo, sem precisar voltar a cabeça. Não se pode, pois, definir os chacras ou centros como órgãos sensórios, no -sentido vulgar do termo, embora proporcionem ao corpo astral faculdades sensoriais.

Entretanto, mesmo quando estes centros astrais estão plenamente despertos, não resulta, de maneira alguma, que o homem possa transmitir ao corpo físico a menor consciência da ação dos mesmos.

Na realidade, em sua consciência física ele pode muito bem ignorar por completo essa ação.

O único modo de transmitir ao cérebro físico a consciência das experiências astrais se dá pelo prévio despertar e ativamento dos centros etéricos correspondentes.

O método dê despertá-los é exatamente o mesmo adotado no corpo astral, isto é, pelo despertar de Kundalini, que dorme na matéria etérica, no chacra situado próximo da base da espinha dorsal.

O despertar de Kundalini resulta do ativamento do centro na base da espinha, mediante um esforço prolongado e persistente da vontade. Desperto Kundalini, sua força tremenda vivifica sucessivamente os demais centros.

O efeito produzido sobre estes centros é o de conferir à consciência física as faculdades despertas pelo desenvolvimento dos centros astrais correspondentes.

Mas, para obter estes resultados, é necessário que o fogo serpentino passe de chacra em chakra, em certa ordem e maneira variáveis segundo os tipos humanos.

Os ocultistas, que conhecem os fatos por experiência própria, são extremamente cuidadosos em não dar a indicação quanto à ordem em que o fogo serpentino deve passar através dos chakras.

A razão disto é que há muitos e sérios perigos, cuja gravidade não deve ser ocultada, para aqueles que despertam Kundalini, acidental ou prematuramente. Fazem-se as mais/solenes advertências a quem cogite em fazer qualquer tentativa deste gênero, antes do momento azado ou sem a direção de um Mestre ou um ocultista experimentado.

Antes do despertar de Kundalini, é absolutamente essencial que o homem tenha atingido certo grau de pureza moral e também sua vontade seja suficientemente forte para dominar esta força. Alguns dos perigos relacionados com o fogo serpentino são puramente físicos. Seu movimento descontrolado produz freqüentemente intensas dores físicas e pode até facilmente romper tecidos e destruir a vida física. Pode igualmente prejudicar os veículos superiores ao físico.

Um dos efeitos muito freqüentes de seu despertar prematuro, é dirigir-se ele para as regiões inferiores, em lugar de se elevar para as partes superiores do corpo; excita, desta forma, paixões menos desejáveis, estimula-as e intensifica-as a tal ponto que o homem não lhes pode resistir. Nas garras dessa força, ele é tão impotente, quanto o nadador nas mandíbulas de um tubarão.

Esses homens se tornam sátiros, monstros de depravação, porque estão a mercê de uma força de todo desproporcional à capacidade da resistência humana. É provável que alcancem certos poderes supranormais, mas estes só servirão para pô-los em contato com seres subumanos, com os quais não deve a humanidade manter intercâmbio. E para safar-se desta sujeição, poderá ser necessário mais de uma encarnação.

Há uma escola de magia negra que, com este propósito, se utiliza de Kundalini, porém os adeptos da Boa Lei, ou Magia Branca, jamais fazem uso dos centros de força inferiores empregados por esta escola.

Além disto, o desenvolvimento prematuro de Kundalini intensifica tudo na natureza humana e afeta mais prontamente as qualidades más do que as boas. No corpo mental, por exemplo, desperta facilmente a ambição e esta logo cresce excessivamente; e o grande aumento da inteligência é acompanhado de orgulho anormal e satânico.

Kundalini não é uma força comum, mas algo de irresistível. O ignorante que, por infelicidade, a despertar, deve imediatamente consultar uma pessoa competente. Segundo os dizeres do Hathayogapradipika, "Ela conduz os iogues à libertação e os tolos à escravidão".

Algumas vezes o fogo serpentino se desperta espontaneamente; sente-se então um calor morno, e em casos raros, pode começar a movimentar-se por si.

Neste último caso, apareceriam provavelmente dores intensas, pois os canais não estão preparados para a passagem do fogo serpentino, e este tem que abrir caminho queimando grande massa de detritos etéricos, processo este necessariamente doloroso.

Em tais casos, a força fluirá usualmente de baixo para cima, pelo interior da coluna vertebral, em lugar de seguir o curso em espiral, que o ocultista aprende a fazê-lo seguir. É preciso, se possível, deter, por um esforço de vontade, esta marcha ascendente; porém se não se conseguir isto, o que é provável, a corrente sairá sem dúvida pela cabeça e se perderá na atmosfera, sem qualquer outro dano senão um enfraquecimento. Talvez possa também causar perda momentânea da consciência. Entretanto, os perigos realmente graves provêm, não do fluxo ascendente, mas do descendente.

Como já expusemos brevemente, a principal função de Kundalini no desenvolvimento oculto é percorrer e vivificar os chakras etéricos, afim de comunicar à consciência física experiências astrais. Assim "A Voz do Silêncio" ensina que semelhante vitalização do centro colocado entre os supercílios permite ouvir a voz do Mestre, isto é, do EGO ou EU superior. A razão disto é que o corpo pituitário (ou hipófise), em plena atividade, constitui uma ligação perfeita entre as consciências astral e física.

Em cada encarnação é preciso renovar o domínio de Kundalini, pois em cada vida os veículos são novos, porém quem já o conseguiu -completamente uma vez, a repetição lhe será mais fácil.

A formação do elo entre a consciência física e a do EGO tem também suas correspondências nos níveis superiores. No EGO corresponde à sua ligação com a consciência da Mônada, e na Mônada, com a consciência do Logos.

A idade não parece afetar o desenvolvimento dos chacras por meio de Kundalini, mas a saúde é uma necessidade, pois só um corpo vigoroso pode suportar a tensão.


A MEDIUNIDADE OCORRE ATRAVÉZ DOS CHAKRAS

Os nossos centros energéticos, também chamados de chakras, são os principais elos de ligações com o Plano Astral e é no processo mediúnico que se tornam possíveis através destes chakras o contato astral ou o famoso contato mediúnico.

Se todos os nossos chakras estiverem em equilíbrio e em sua rotatividade normal, não haverá traumas físicos ou mentais para o médium, mas se não estiverem em harmonia podem causar danos, sendo que isto é observado inclusive em médiuns experientes que apresentam certos distúrbios como dores em algumas partes do corpo físico.

As diferentes formas de mediunidade:

* Incorporação * Canalização * Premonição * Intuição * Clarividência * Outras *

Mediunidade é a troca de informações entre seres, sendo que, no momento da troca um deles não possui um corpo físico.
Médium significa meio, aquele que fica no meio, aquele que intermédia uma comunicação entre um ser que não se encontra neste plano físico a um outro que se encontra.
O processo de mediunidade quando se manifesta numa pessoa é irreversível, é preciso encara-lo com naturalidade e cuidar deste sentido com atenção e carinho, pois é seu sexto sentido.

Na maioria dos casos onde ocorre o fenômeno da mediunidade, não acontece a incorporação, que é um processo de perda da consciência e com o qual já estamos acostumados a ver, principalmente nas Religiões ditas de origem Africana, mas todos os processos exemplificados acima, sem exceção, são manifestações mediúnicas.

No caso da Mediunidade de incorporação, a pessoa que esta incorporada, já não age somente por si, mas em função do ser espiritual ou elemental que exerce influência sobre a psique do médium, a Grande Fraternidade Branca, através dos Mestres Ascencionados e de seus representantes, não aconselha e nem utiliza a incorporação como meio de comunicação, mas empregam a Canalização e a Intuição em suas comunicações Astrais.

É necessário informar ainda que a comunicação astral, através da Canalização, não ocorre de forma direta, ou seja, do Ser de Luz diretamente ao Canal, para isso é utilizado nessas comunicações os médiuns astrais que se encontram mais perto de nossas vibrações e que podem ser anjos ou espíritos evoluídos.

Mas contudo isso, ainda pode ocorrer em raríssimos casos, contatos diretos entre seres das Hostes Celestiais e um Ser Físico, mas neste caso o Canalizado jamais irá comunicar este contato publicamente.

Ainda não devemos esquecer que, a maioria dos processos mediúnicos são obras de seres elementais ou espíritos não evoluídos, com o restrito prazer de se divertir ou prejudicar um ser encarnado, mas suas palavras e ações são facilmente notadas pelos seres físicos que usam a capacidade divina do discernimento.

Eu Sou ãcãrya.



Para mais sobre chakras, clique abaixo.

fonte: http://an.locaweb.com.br/Webindependente/fraternidadebranca/chakras.htm
Comments